Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

25 de fev de 2011

Feridas


Certas dores têm o poder de sugar o sentido da existência. E o pouco que resta fica jogado em um canto qualquer, sem referência alguma. Há quem fique vagando nesse não-lugar, rastejando no árido, sem perceber a pele abrir com o atrito do corpo no chão áspero. Não deixa as feridas cicatrizarem, apenas inflamam, criam pus, em um círculo vicioso. Quando pensa que sarou, fica remoendo, sangrando a própria doença. Sem perceber que caso caminhasse, poderia chegar a algum outro lugar. Qualquer lugar distante desse lento perambular que apodrece a carne. E quando um odor pútrido exala do machucado há tempos aberto, chora - e muito - uma dor que insiste em sentir, mas que talvez nem mais sinta. Mente para si, dizendo que esse câncer é só um corte, finge que não sabe e acredita poder continuar... enquanto seus restos se dilaceram cada vez mais, mais e mais.

Foi preciso alguém me olhar nos olhos e dizer: “Você foi muito magoada, não foi? Por que tanto rancor? Não diga para mim que não tem rancor em seu coração, se eu estou vendo rancor agora, em seus olhos. Mas olha bem para mim. A vida segue. Tudo nessa vida passa. E você vai continuar em frente. Senão, nada anda”.

Aceitei meu autoflagelo e chorei, solucei – não a chaga, mas toda a amargura reprimida. Apenas quando percebi que estava há tanto tempo quase parada, estirada para o nada, consegui levantar. Quando caminhei – para qualquer sentido, não importa qual -, ficou mais fácil me afastar do lugar em que caí. Não sei por quais estradas tenho andado, mas encontrei em um canto um pedaço de paz.

Em mim.

Um comentário:

  1. Que foda hein... Texto muito bom!

    Mas, se me permite: para toda dor há um remédio e se este não existe, remediado está; então, ou se acha a cura, ou se vive o resto de esperança que se tem. O pior comportamento que se pode fazer é desistir e enfiar a cabeça em um pedaço de terra.

    beijão,
    Saudações Tratádicas

    ResponderExcluir

Áhh, que fofo você comentar!!!