Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

10 de nov de 2012

Antes de levantar



Às vezes, esparramada entre esses lençóis, fronhas, travesseiros e cobertores claros, me sinto engolida, tragada por um imenso e doce mar branco. E cresce em mim a vontade de me afundar cada vez mais, mais e mais...

O céu hoje acordou tão branco quanto meus lençóis. Deitada, não vejo pela janela sem grades nem o sol, nem o azul, só um tapete cor de neve, estendido até onde meus olhos alcançam, daqui de onde me encontro.

E vejo o vento levantar as folhas do meu bloco de notas, que repousa sobre meu ventre enquanto escrevo, em posição de quem ainda há pouco dormia. Mas ao mesmo tempo em que o sopro tenta desorganizar essas anotações que faço agora, já tão tortas e rascunhadas, ele vem e me abraça. Só ver é muito pouco. Vale mais a pena sentir. Fecho os olhos. Sinto.

Sinto meu corpo amolecer nesse espaço tão grande, que eu quero só meu. Sinto, e me esparramo, e ocupo cada um desses cantos, como se não houvesse um corpo cheio de limitações, mas algo além de mim. E enquanto crio forças para deixar de me envolver por esse universo que inventei, peço, rezo para quem puder ou quiser me ouvir, que eu não deixe de sonhar, mesmo longe dessa cama.

e por mais um dia, mais uma vez, eu levanto, eu tento ir além de mim mesma...

6 de nov de 2012

Só te encontro quando durmo



Nem sequer mais te vejo, mas quando chega a noite passo horas rindo e conversando com você nos meus sonhos mais tranquilos, ou nos mais esquisitos, que desisto de encontrar explicação. E não sei se são assuntos pueris ou uma daquelas nossas conversas complexas sobre a existência humana, mas lembro de brincadeiras, gargalhadas, uma cumplicidade que nunca tivemos quando acordados, quando nos víamos nessa realidade formada por pele, por carne e osso, nós dois, tão palpáveis como essa existência nos obriga a ser.  

Ainda custo a entender o porquê de você me esperar dormir para me procurar. E me encontrar sem dizer um olá, te ver partir sem ouvir um tchau, nessa falta de sequência definida típica dos sonhos, mesmo os mais próximos que conseguimos ter dessa realidade crua, vivida de olhos abertos. Você simplesmente invade minhas noites, aparece na casa que nunca foi quando acordado, e conhece pessoas próximas de mim que sequer alguma vez viu, tudo isso você faz, mas apenas enquanto durmo. E deixa aquela sensação de nuvem que evapora, inconsistente, como se nunca tivesse passado ali, mesmo tendo ficado algum tempo, trazendo quem sabe as chuvas, ou tapando o sol, ou deixando o céu mais bonito, desenhando o cenário de um dia ensolarado.

Nessa noite você estava tão mais alto, e grande, tão maior do que eu, e aparecia no quarto da minha antiga casa para me ver. Mas olha que engraçado, você sempre que me visita aparece no quarto que eu tinha quando criança, quarto grande porque eu era muito pequena, móveis antigos, cortinas coloridas e brinquedos nas prateleiras, nunca no quarto em que eu dormia à época em que te conheci, cheio de livros, com uma persiana da mesma cor de nada da parede, móveis de mogno marrom. Talvez você goste de esmiuçar a menina que sempre viu em mim. Lembro que nesses sonhos sempre olho para a janela e ela parece ser tão maior do que é hoje, e me mostra um céu sempre escuro, mas tão bonito, assim, colorido e estrelado.

Então chega a hora de eu dormir em meu próprio sonho e você tem que ir embora, querendo ficar mais um pouco, dividindo esse meu espaço que eu nem lembrava mais que existia, que você nem sequer pediu permissão para entrar, pelo menos eu acho que não. Nessa noite você se escondeu debaixo das minhas cobertas, para que minha mãe não te visse ali e te mandasse embora, e nós ríamos dessa sua tentativa vã de ficar mais um tempo ao meu lado, perto de mim, talvez porque não fizesse ideia de quando poderia voltar ao quarto em que eu dormia quando era apenas uma menina.

Eu poderia dizer que as noites que passo ao seu lado nada mais são do que projeções de minha mente, que por motivos que nem sei se lembra de você de vez quando, sim, eu poderia dizer isso... se não tivesse a plena certeza de que mesmo sem te ver, continuo te encontrando sempre, mas somente em meus sonhos, você precisa esperar que eu adormeça para vir até mim. E assim vou vivendo, sem entender até hoje o porquê de só te encontrar quando durmo.

27 de ago de 2012

O amargo e o doce do prazer


Umas dez latas de cerveja, alguns goles de energético
Balas, doces. Uma busca por cafeína, algo que mantenha os olhos abertos
Bem abertos
Uma roupa no canto e outras jogadas pelo caminho
Desejos demais. Mal se sabe o que aconteceu. Foi? Não foi?
Lençóis fora do lugar e o gosto amargo da ressaca na boca
Suposição

Noite após noite com uma disposição de fazer inveja ao mais recatados
Satisfação é a palavra chave
Doces azedos, pirulitos açucarados e insulina suficiente para iniciar a manhã
E mais uma vez. De novo. Ou não
Para saciar ou para relembrar, tanto faz
A vontade em provar é mais intensa que nunca
O desejo pelo amargo e o doce do prazer


28 de jul de 2012

Estupro mental na tenra infância



Já prometi a mim mesma que, caso algum dia eu tenha uma filha, farei o máximo para que ela não seja contaminada por uma dessas histórias infantis fascistas, em que uma linda princesa vive sua vida em função da espera pelo pênis-salvador-que-irá-livrá-la-de-todos-os-males-terrenos. Sim, porque para encontrar a salvação, o príncipe bonitão é a única opção. Você só deve se manter a mais linda do reino e esperar com o rabo sentado um macho vir te salvar. De preferência limpando, cozinhando e lavando um castelo cafona.

Para ficar ainda mais romântico, a mocinha renegada, linda e pobre, ainda sofre todo o inferno causado por uma maluca sociopata, que em geral dava a ximbica para o pai da princesa enquanto vivo.  Afinal, se a mulher dava para o seu pai, mas não era sua mãe, com certeza é uma puta de uma vaca. O extremo oposto da princesa, poço de bondade e ternura. Sim, porque a natureza humana é exatamente divida dessa forma: existem pessoas que são o exemplo de tudo que é correto e representam o bem, e pessoas que abrigam apenas a maldade em seu amargurado ser. Ou é do bem, ou é mal, nada de meio termo. Tipo aquelas baboseira que, depois de passar da fase dos contos infantis, os adolescentes aprendem assistindo Malhação, simpática programação exibida todas as tarde na televisão. Patético é pouco. Isso é esquizofrenia total.

Mas voltando aos contos de fadas. Depois de todo esse drama, o amor tudo supera. E princesa e príncipe se casam (porque tem que ter um casamento no final) e vivem felizes para sempre. FELIZES PARA SEMPRE! Agora alguém só me explica que porcaria é essa de felizes para sempre? Sim, porque como todos nós sabemos, todos os relacionamentos terminam felizes para sempre depois do casamento, certo? Nada mais correto do que reforçar essa ideia nas mentes e corações infantis, certo? Pelo amor, essas histórias deveriam ser proibidas para crianças, que crescem escutando (e muitas acreditando para sempre, mesmo que inconscientemente) nesse tipo de baboseira. Meninas acreditam que devem, de fato, ser lindas princesas, durante toda sua bela vida, que obviamente, está destinada à felicidade plena, exatamente como condenam todos os contos de fadas.

E se por algum mero acaso uma infelicidade do destino não te proporcionar a beleza única e cativamente que vai arrebatar os corações de todos os falos pulsantes, fazendo com que os moçoilos caiam aos pés de sua vagina virgem (sim, porque a xeninha não pode ser deflorada para a história ser completa), não se preocupe, a indústria de plásticas, cosméticos e pílulas milagrosas tem o poder de te transformar (ou quase) em um pitelzinho de primeira linha. Sério, é capaz de, depois de uma boa transformação, você se olhar no espelho e sequer se reconhecer. Olha que legal. Virar uma princesa igual a dos contos de fada é uma questão apenas de dinheiro, querida. E para a maioria de nós, reles mortais, muito dinheiro. Se você não tem, ah-ha, se fode aí, baranga.

Brincadeira de criança
A verdade é que nós mulheres sofremos lavagem cerebral desde o primeiro dia em que somos cuspidas a essa malfadada existência. Recebemos bonecas de presente de aniversário, para já irmos aprendendo a cuidar com maestria dos projetos bizarros de bebês. Mas vai a menininha querer brincar na rua, correr, soltar uma pipa, para não surgir aí o problema? É um tal de mãe histérica berrando “isso é coisa de menino, garota, sai daí que você não é muleque!”. O oposto também acontece. Já vi muito menino querendo brincar de boneca, brincar de comidinha, e ouvir esporro dos respectivos genitores, do tipo “isso é coisa de menina, porra, tu é viadinho, por acaso?”.

O negócio é o rapazote aprender ainda novinho pela boca dos próprios pais que ele tem que sair metendo o pinto em tudo quanto é garotinha, enquanto a garotinha aprende que tem que esconder a pepequinha de tudo que é menininho. Isso desde a mais tenra infância. Péssimo. Deprimente. Mulheres já aprendem desde crianças a conviverem com uma repressão tão entranhada, que a maioria dos grandes papis-educadores sequer percebe, ou não se dá ao trabalho de perceber. Enquanto isso, os homenzinhos crescem aprendendo as táticas de como ser fodão, livre, leve e solto, com seus brinquedinhos que, sem nenhum remorso ou culpa, podem incitar a violência à vontade. Para as meninas, Barbies que são a total representação de modelo estético impossível à raça humana. A sociedade é patética.

Aí a gente cresce. Sim, nós crescemos. E depois de sofrer esse estupro mental durante todo o início de nossa construção cognitiva, depois da repressão imposta pela escola, pela família, pela mídia, antes mesmo que saibamos como soletrar nossos nomes, somos obrigadas a ouvir como resposta a algum surto psicótico “isso é coisa de mulherzinha”. E quando poucas de nós conseguem lidar com esse total estupro mental sofrido durante toda a infância e fugir dos estereótipos repressores impostos pela sociedade (o que não nos impede de entrar em sérios conflitos existenciais, é claro), somos julgadas, mal interpretadas, isso quando não aparece um babaca (em geral, muitos babacas) confundindo liberdade de pensamento com libertinagem generalizada.

 E quer saber? Foda-se também se eu quiser ser libertina. Nunca tive vocação para Cinderela. 

27 de jul de 2012

Crônica de uma partida



A vida sempre me deu tudo o que precisei, no tempo certo. Mas será que desejo tudo de maneira tão errada, para nunca ter o que eu quero? Ou talvez eu simplesmente não saiba  ao certo o que querer. Ou não saiba fazer por onde para me encontrar.Todas as pessoas que entraram em minha vida surgiram quando delas eu precisei, e nela permaneceram enquanto foi necessário. E se distanciaram depois de cumprirem seu papel em minha história. Algumas sumiram. Outras simplesmente se afastaram e voltaram quando novamente precisei, sem que nunca fosse necessário meu chamado. Outras, acho que apenas por circunstâncias da vida, estiveram mais tempo aqui. Mas nenhuma delas foi em vão.

Até mesmo de minhas mais dolorosas convivências tirei da experiência algum aprendizado, e segui minha vida, superando as mágoas em muitas das vezes. Mas segui tendo ao meu lado pessoas que atraí em razão do meu momento, ou que a vida escolheu para mim e colocou em meu caminho, com o cuidado de quem se preocupa com os rumos que não sei seguir. Minhas polaridades, tão opostas, contrárias a mim mesma, me permitem acreditar no destino ao mesmo tempo em que me dão a certeza do livre arbítrio de minhas escolhas. Mas sei que apesar de minhas escolhas, enquanto eu não aprender o que devo com certas experiências, elas vão se repetir, e ficar por ali, rondando minha cabeça, tirando meu sono, invadindo meus sonhos. Elas sequer precisam se concretizar, não fisicamente. Quando ocupam minha mente, já me impedem de seguir. E fico aprisionada em correntes invisíveis, tão difíceis de serem soltas, tão difíceis de enxergar.

Então você chegou...

Quando uma vez me libertei de uma de minhas amarras, uma das que tanto me sufocavam, você apareceu. Depois de sozinha descobrir esse alívio, essa leve paz de espírito, recebi de presente você. Você só apareceu em minha vida para que eu pudesse ter a plena certeza de que eu poderia seguir. Poderia não ser fácil. Mas seria possível.

Você só deveria ficar para deixar clara em mim a sensação de libertação que senti, que conquistei depois de tantos pedidos, súplicas, muitas até mesmo inconscientes. E assim foi. Você me deu uma felicidade livre de qualquer cobrança, e assim como mandava o roteiro disso que acredito ser o destino, depois de estabilizar minha tristeza, você foi embora. Exatamente como deveria ser. Exatamente como eu sempre soube que seria.

E senti muito sua falta. Chorei. Mas eu entendia qual era o seu papel e nunca amargurei sua partida. Você seria apenas só um pedaço da minha história, daquelas que às vezes até esquecemos, apesar da importância que tiveram em algum momento de nossas vidas. E segui achando que essa saudade de você uma hora iria passar. Segura que seu tempo em mim havia acabado, como realmente acabou. Mas não sei o porquê, contra toda lógica que sempre percebi em tudo ao meu redor, você acabou ficando... não em minha vida... mas impregnado em mim...

Como o resquício de uma lembrança que não me abandona, como a vontade de entender algo que não foi de verdade vivido, como um fantasma ali, sempre presente, que por maldade acende tudo que eu tento apagar com um simples olá, para depois, como sempre, ir embora. Ir embora? Não... você nunca sequer esteve aqui. E eu sempre entendi. Nunca cobrei. Ainda assim, não consigo te deixar escapar de meus pensamentos.

Você nunca sequer imaginou a importância que teve para mim. E do esforço que faço para não te odiar pelo seu descaso, por apesar dessa sua suspeita de mim, se manter tão indiferente a tudo que sinto. E penso em você sem querer, me esforçando para não amar uma idealização. Mas idealizar o quê, se você sempre se revela exatamente do jeito que imagino? Mesmo quando me magoa com sua distância. Eu te entenderia, se não me esforçasse tanto em te esquecer.

Mesmo quando meu orgulho me manda não querer mais você. Manda em vão. Não é o orgulho, mas meu coração que me faz ter essa certeza, a certeza de que eu não te quero. Loucura. Eu também não me entendo. Mesmo se eu te quisesse, você ama demais a sua solidão para amar qualquer outro alguém, principalmente um alguém com a intensidade que eu precisaria ser amada. Você também tem medo. Prefere ser egoísta despertando em outras o quê sabe que, no fundo, não deseja para você. Talvez seja esse o seu consolo para a solidão que você não consegue afastar, mesmo fugindo tanto de tudo, mesmo estando no meio de tudo. Talvez você fuja de você mesmo.

Mas fugindo ou não, você veio de encontro a mim. Só que você não estava no meu caminho. Você surgiu porque um dia eu precisei, não exatamente de você, mas de alguém como você. E sem querer eu te chamei, você me ouviu, me atendeu. E depois, assim como deveria ser, você foi embora, você não fazia parte da minha história. Mas se é assim, por que então você ainda não foi embora?

Será que eu ainda preciso de alguém como você? Será que você me fez precisar de você? Ou será que é você, que sequer se importa, que na verdade precisa de mim? Talvez eu nunca descubra. Vai ser o que o destino quiser. Porque eu não vou fazer por onde. Eu nunca fiz... eu só quero que essa partida tenha logo um fim. Eu só não quero ter alguém tão próximo de mim. 

Mas se você não tiver mesmo quer ir... fica?

16 de jul de 2012

Tem culpa eu?





Me preocupei de verdade com aquele pecado, tanto que voltei para me redimir e recapitular os fatos. Sendo assim, encontrei-me no fundo de um delito nada extato. Olhando para mim mesmo vi que não tinha culpa suficiente para transformar tudo aquilo em dor carcomida, eu estava limpo. Precisava de culpa.


Entrei num site de culpa virtual, desses que se comercializam tudo que uma sociedade moderna precisa. Comprei minha culpa, uma que me caberia coerentemente quando chegasse por correio. Esperei a culpa chegar por mais ou menos oito semanas, mas a culpa não chegou. Liguei para a central de relacionamento para reclamar a ausência de minha culpa, a que eu escolhi na promoção.


Os atendentes eloquentes gerundicamente me asseguraram que a culpa tinha sido recebida por alguém. E se a culpa não tinha chegado até mim, significava que eu não merecia ter o produto.


- A culpa foi paga e recebida, isso faz quase cinco semanas. O senhor vai estar esquecendo aquela culpa e deverá gerar outro sentimento de semi culpa e preencher um formulário online de requerimento. Depois, o senhor deverá consultar o nosso catálogo de culpas recentes. Digite o código de sua culpa, pois ele é cumulativo. Logo em seguida, obtenha um desconto especial para a compra de uma culpa dupla, assim o senhor poderá estar presenteando alguém com uma culpa exclusiva. Aproveite nossa promoção, agradecemos a sua ligação e tenha um bom dia.

9 de jul de 2012

Matilde: a pegadora do forró




Assim como a canção entoada pelo Forroçacana, Matilde é uma menina que não liga para nada. Mas nem sempre foi assim. Nos idos do início do século 21, ela era uma menina cheia de ternura, sonhava em casar e constituir uma linda família feliz. De família nobre, ela vivia sempre arrumada e perfumada na esperança de encontrar na esquina seguinte o seu príncipe encantado.

Suspirando ao nascer da lua, pensava que seu amado iria chegar como nos contos de fada, que, assim como ela, estaria belo e sempre disposto. Ao conhecer alguém, pensava "é esse" até que logo depois ele virava sapo. Mais uma desilusão prosseguia e o sonho era adiado.

Os anos passaram e Matilde começou a desconfiar que princípes encantados não existiam, que era história da Dona Carochinha. Suas belas vestes de menina mimada deram lugar roupas mais leves. Seus saltos viraram sandalinhas e ela caiu na noite, já que estava tudo perdido a ideia passou a ser se perder de vez!

De menina romântica passou a matadora. Matadora de corações apaixonados. Não queria mais se apegar a ninguém. Sem saber se era trauma ou não, arrumava defeito onde não tinha - ou poderia ter?

Disso, ela até hoje não sabe. E nem quer mais saber. O que Matilde quer é cair na noite e apenas se divertir arrastando o pé pelos mais belos e encantadores guetos do forró e ficar somente uma vez... "para não alimentar saudade, que a felicidade com ela não há".

20 de jun de 2012

Nietzsche não transava




O objetivo desse estudo da linha de pesquisa freudiana é analisar o comportamento de um grande picudo da filosofia contemporânea e explicar como foi possível a materialização de tamanha genialidade. É isso mesmo. Vou falar dele, o alemão bigodudo, o viciado em remédios controlados, o grande Tio Nini, Friedrich Nietzsche para os menos íntimos. Meu breve estudo tem por finalidade comprovar a seguinte afirmação: o grande gênio da “raça-ariana” (ah, Nini!) não copulava. É isso mesmo. Não introduzia o baguete na manteiga, não dava bananada na cara das chicas, não usava o bilauzinho para atividades sexuais. Salvo os momentos mais íntimos com as próprias mãos, é claro.

Para comprovar minha tese, usarei três argumentos. O primeiro deles foi o que iniciou minha reflexão. Meu projeto para esse estudo surgiu quando comecei a refletir sobre a repulsa de Tio Nini quando o assunto é o sexo feminino. Sempre percebi em suas obras um claro desprezo pelas fêmeas, que não serviriam para nada além da cópula. Eu poderia utilizar citações de inúmeros de seus livros, mas estou com preguiça de catar os que tenho em minha estante. Mas isso não quer dizer que, em minha conturbada cabecinha, eu não tenha muitas referências dele. Enfim, sendo assim, usarei unicamente como referência aqui a última obra que li dele: Além do bem e do mal.

Pois bem, vamos fazer uma breve análise das seguintes citações:

É ilícito duvidar que a mulher queira ou possa querer esclarecimento sobre si... Se com isso ela não busca para si um novo enfeite – creio que enfeitar-se é parte do eterno feminino, não? -, então ela quer despertar temor – talvez até dominar. Mas não quer a verdade: que interessa à mulher a verdade! Desde o início nada é mais alheio, mais avesso, mais hostil à mulher que a verdade – sua grande arte é a mentira, seu maior interesse, a aparência e a beleza.

Ou seja, nós, mulheres, vaginas escrotas, somos umas falsas, manipuladoras e fúteis, que temos como único objetivo na vida cuidar da aparência para tentar manipular os homens-penianos, que administram com tanto primor a civilização. Então ele prossegue:

Vamos confessá-lo nós homens: nós festejamos e amamos precisamente essa arte, esse instinto na mulher: nós, para quem as coisas são pesadas e que de bom grado nos juntamos, para obter alívio, a seres cujas mãos, olhares e ternas tolices nos fazem parecer quase tolice a nossa seriedade, nosso peso e profundidade.

Traduzindo: ainda por cima somos responsáveis pelo desvirtuamento de todo potencial intelectual humano, com nossas tolices imbecis. A profundidade existencial dos machos copuladores sofre com nossa essência pueril. Ai, Tio Nini, meio socrático isso, não?

O pior é que, o único orgulho da fêmea-portadora-de-cona em uma sociedade sexista, ele faz questão de também esculhambar:

A estupidez na cozinha; a mulher como cozinheira; a terrível leviandade com que se cuida da alimentação da família e do chefe da casa! A mulher não entende o que significa o alimento: e quer ser cozinheira! Se a mulher fosse uma criatura pensante teria descoberto, cozinhando há milênios, os mais importantes fatos fisiológicos, e teria também aprendido a arte da cura! Por más cozinheiras – por total ausência de razão na cozinha é que a evolução do homem foi mais longamente retardada, mais gravemente prejudicada: isso pouco mudou em nossos dias. Um aviso para as moças que frequentam o secundário.

Okay, Tio Nini, deixe-me ver se eu entendi. A culpa pela humanidade ter falhado em seu projeto iluminista e ter chegado ao ponto em que a modernidade vê seu conceito esvaziado, dando espaço para o que chamamos de hipermodernidade, segundo Gilles Lipovetsky, ou supermodernidade, segundo Marc Augé, ou o meu preferido, Modernidade Líquida, segundo Zygmunt Bauman, é nossa! A culpa é nossa, mentecápitas mulheres, que não sabemos cozinhar direito. Gentchi, preciso admitir que nunca me senti tão mal por não saber nem fritar um ovo. Pena eu só ter lido isso bem depois de ter terminado o secundário.

Mas melhor do que isso é quando ele diz que as mulheres devem viver à base da chibata, pois esse é o caminho da evolução da humanidade.

O homem tem que conceber a mulher como posse, como propriedade a manter sob sete chaves, como algo destinado a servir e que só então se realiza; ele tem que se apoiar na imensa razão asiática, na superioridade de instinto da Ásia (...), à medida em que cresciam em cultura e força, pouco a pouco tornavam-se mais rigorosos com a mulher, isso é, mais orientais.

E para el grand finale desse momentinho citações de tio Nini, afinal, essa é só meu primeiro argumento, encerro com a seguinte frase:

Em nenhuma época o sexo frágil foi tratado com tanto respeito pelos homens como na nossa.

Simone Beauvoir, com todo aquele papo existencialista de que ser mulher é apenas uma questão de construção social, poderia ter sido BFF (Best Friend Forever) dele, se não fossem as limitações geográficas. Tudo bem, a Europa é um ovo, da França para a Alemanha é um pulo, mas foda-se, vocês entenderam o que eu quis dizer. Sarcasmo e deboche nem sempre é meu forte, não sei se deu para perceber.

Pois bem, não pensem que eu seria vazia a ponto de concluir que essa pequena implicância de Tio Nini com as conas-de-plantão seria motivo suficiente para me fazer cismar que, de uma boa xana, ele não sentia nem o cheiro. Fui além em minhas reflexões. Na verdade, eu divido os escritos de Nietzsche em duas categorias: a sóbria e a insana. Ambas geniais, é claro. Mas se em alguns momentos ele parece um senhor acadêmico recatado em seu estilo, em outros ele faz a total maluca e escreve como se fosse um insano cheio de cocaína na mente.

Nessas passagens estilo insana, ele adora dar uma de surtado egocêntrico e se autodeclara o homem superior, o filósofo que está acima da maioria de bestas que só sabem discutir sobre o que seria moralmente correto e blá-blá-blá. Já senti alguma coisa aí.  Então, em Assim Falou Zaratustra ele me vem com aquele papo de super-homem. E por que ele inventou essa história de um super-homem? Porque ele não usava a super-jeba para nada que não fosse uma boa super-punheta. Logo, o super-homem era seu alter ego comedor, algo bem no estilo Clube da Luta, em que o esquisitão-come-ninguém projeta sua imagem no gostoso do Brad Pitt.

Quando você pensa em super-homem, você pensa em quê? No clássico das histórias em quadrinhos! E isso te leva a pensar em quem? Nos nerds adoradores do Super Homem, que não comem ninguém, mas que são fãs do homem de aço. Super Homem, o grande ídolo dos punheteiros de plantão. Sensacional.

Sendo assim, apresento meu último argumento. Como é que um homem poderia ser tão genial e mandar todo mundo lascar a moral para puta que o pariu, pedir que não fôssemos os macacos e seguíssemos nossa linha de pensamento, e vir com todo aquele papo de “deus está morto”, se o cara perdesse o tempo dele transando? Ou um, ou outro, meus queridos e queridas. Não dá para ser gênio e fudedor ao mesmo tempo. Ele concentrava todo seu furor sexual frustrado escrevendo genialidades. Uma jeba não utilizada tem potencial de fazer milagres.

E vamos ser sinceros: infelizmente, mulheres em geral não curtem nerds-bigodudos-punheteiros, que vivem se vomitando em crises de enxaquecas homéricas. Aí, elas não queriam dar para ele, aí ele escrevia mais, mais, e mais, ficava ainda mais esquisito, aí é que as mulheres não queriam dar mesmo... vocês não percebem?! É um evento cíclico! Mas gentchi, é tão óbvio!

E encerro essa minha pequena tese com a singela conclusão: Nietzsche era um gênio porque não transava, e não transava porque era um gênio. Palmas às mulheres que recusaram suas honrosas xanas em flor para o bilau em chamas do Tio Nini. Devemos as reflexões desse grande pensador a vocês.

FIM

13 de jun de 2012

esboço para um conto



Sempre esteve ali. E sempre olhei, mas nunca vi. Enxergava apenas os contornos que não perdiam um único detalhe, a exata reprodução de mim. Mas não era eu. Era reflexo, imagem invertida, contrário do disforme que sempre fui. Nunca quis ver. Primeiro não importava. Quando importou, preferi fugir, nunca prestar atenção.

Mas naquele dia eu olhava, e mesmo procurando, não mais me via. Ou via, via uma outra coisa que eu não reconhecia. E toquei meu corpo. Aproximei o rosto. Encostei no espelho. Mas tocava e não sentia. Fui afundando meu corpo cada vez mais e mais. E me deixava engolir como se estivesse enfeitiçada, ou talvez fosse simples torpor de quem não se importa com o que está acontecendo.

Afundaram-se meus dedos. Minha mão. Meu braço. E o que antes era leve sensação me puxou com força, me tirou o ar. Meu coração acelerou, sufoquei. Quando fui sugada pela imagem que eu fazia de mim mesma, mergulhei no total vazio. Mas era um vazio cheio de tudo, um vazio de excesso. Tantas cores, tantas formas, cheiros, gostos, sons... que eu nada absorvia.

Não fui Alice, mas comi do bolo. Bebi do líquido. Nem sei em quantos tamanhos me tornei. Mas o mundo ao meu redor crescia e diminuía também, e nunca tive certeza se alguma coisa havia mesmo mudado. Do outro lado, do meu lado do espelho, quando minhas angústias tinham motivo concreto eu me confortava com a esperança de que em algum momento poderiam passar. Mas agora que não fazem mais sentido, não sei mais lidar com elas, não sei o que esperar de mim.

Flutuei, tirei os pés do chão. E enquanto plainava alto, me via na praia sendo engolida pela fúria do mar. E não sabia se me afogava ou voava. Se meus pulmões eram limpos pelo ar fresco ou invadidos pela água salgada. Se eu era as duas, não poderia fazer ideia de qual das duas eu era.

Eu – ou elas? – brigavam, se desentendiam. Uma berrava, implorava ajuda, a outra estava desesperada demais para se aproximar. Até serem empurradas para a areia. Tentei me encontrar, mas fugi, me perdi de mim. E fiquei ali, o tempo todo. Doía. Se já não acreditava mais em minhas certezas, não fazia ideia do faria com minhas dúvidas.

Corri ao meu encontro. Corri de mim. Gritei. Ninguém ouviu. Caí, afoguei em mim mesma. Mergulhada nos sonhos que não tinha, nos medos que não sentia, nas coisas que não via, nos amores que não senti. E voltei. Acordei do meu lado do espelho. Sem saber se aquele seria mesmo o meu lado. Como em um sonho em que sempre sonhamos que acordamos, e ficamos desesperados ao perceber, mais uma vez, que estávamos dormindo.

Quando voltei, não era mais eu. Era uma outra coisa que me fazia entrar em constante conflito com minhas identidades anteriores, com minha alteridade que não poderia mais ser definida pelas mesmas relações. Porque a mudança foi só minha, mas todos continuavam os mesmos, eram todos ainda sempre tão iguais. Iguais demais para que pudessem entender a complexidade do que me tornei. Ou sempre fui. E virei ilha. Rodeada de buracos. Nem todos vazios.  

O aceitável para os outros foi se tornando cada vez mais insuportável para mim. E encontraria milhões de dedos que me apontariam pelos meus questionamentos, por essa inconformidade. “Mas todo mundo vive assim, qual é o seu problema?”. Mas eu não poderia mais viver daquele jeito. E não posso falar para ninguém sobre a angústia que me consumiria cada vez mais. Não restaria para mim outra opção senão fugir.

Mas não teria sequer para onde ir. Quando voltei, tive a certeza de que não haveria jamais lugar para mim. Estar perdida sequer seria uma opção, pois quem se perdeu é porque em algum momento escolheu um caminho. Eu nunca tive uma escolha para fazer.   

Quando me olhei novamente no espelho, vi aquela não era eu. Nunca foi. 

2 de jun de 2012

Poeta um dia, quem sabe



nome do poema
tentei, mas não sei escrever poemas

 poema
o que fazer com resto de sentimento
de amor mal curado
com uma necessidade  reprimida...
além de mandar para a puta que o pariu?

considerações finais
um dia eu chego lá

13 de mai de 2012

Cidades pequenas, fronteiras inexistentes



O mundo deveria ser grande, grande o suficiente para se fazer todas as merdas do mundo e o que "acontece em Vegas, fica em Vegas" ser a máxima. Tem horas que isso é tão verdade, que poucos são capazes de entender.

***

Traição

Eles parecem o casal perfeito, fazem tudo juntos. Mas ela o trai, ele descobre. Se separam.

***

Volta por cima

Ele, entristecido, se entrega a outros braços, de uma conhecida do casal. Viram amigos bem próximos. Curtem a companhia um do outro. Apesar de não esquecer a ex, tenta continuar a vida. A traidora não sabe.

***

Outros

Além de ficar com ele, a amiga gosta de beijar outros rapazes. Conhece um em outra cidade e têm uma noite linda. Se despedem.

***

Desencontro

O rapaz da outra cidade decide visitá-la. Dirige por 500km, mas não a encontra. Dorme na casa de uma amiga e vão a uma festa. Ele, ela e o namorado dela.

***

O encontro: mundo interligado

A beijoqueira estava cansada, mas mesmo assim decidiu cair na noite. Foi sozinha, tomar cerveja e se divertir. Vestiu a melhor roupa para ter uma noite daquelas de nunca mais esquecer. A esperança era encontrar o amigo desiludido e traído para mais um encontro explosivo, de sair do mundo, tirar os pés do chão.

Pega um ônibus e anda um pedaço. Chega a um lugar mágico, com uma vista linda e belas pessoas. O som pede um sensualização na dança. Ela olha para os lados, compra uma latinha para começar um aquecimento interno. E dá uma volta no espaço, como reconhecimento. Fala com um, fala com outro.

Até que...

Dá de cara com um grupo de amigos um tanto conhecidos: a amiga causadora de coração partido com o novo namorado e seu "amigo" distante. Dúvida: finge que não vê ou vai lá falar?

Finge que não vê e vira, mas dá de cara com o lindinho do coração partido. Sorri, dá um beijinho e, com um sorrisinho maroto nos lábios, engole a cerveja com trejeitos de alguém que está no desespero mas tenta ser natural.

***

Acontecimento

A traidora é amiga do distante, o recebeu em casa para que ele pudesse encontrar novamente com a beijoqueira que, por sua vez, estava saindo com o ex dela, o marido traído. Niguém sabe de nada. Só uma pessoa.

História meio Carlos Drummond de Andrade, mas com personagens mais Nelson Rodrigues. Dramaturgia pura.

***

Conclusão

Foda-se, o mundo é pequeno mesmo e, mais dia ou menos dia, você já terá conhecido todo mundo, de um jeito ou de outro.

11 de mai de 2012

apatia


sofro dor que nem sinto
desses dias todos iguais
mágoas que não tenho se minto
da fome que antes queria
hoje já nem lembro mais

morrendo
tinha pavor de viver apenas sorrindo
e começo a perder o medo
de viver
só existindo

2 de mai de 2012

Soneto da saudade




de repente me lembrei daquela noite
em que tu deste uma lambida em minha xota
e devaneios se perderam pelo tempo
aaaaai, que saudades da tua piroca!

não era grande assim o instrumento
ainda assim alegrava a minha cona
que latejava com a sua pica dentro
enquanto berravas: minha puta, marafona!

por que não voltas para a última estocada?
e abaixas o fogo da minha xana em chama
enquanto eu berro na maior declaração
me fode! me chupa! me mama!

29 de abr de 2012

grito?


tão cheia cheia cheia cheia cheia cheia cheia cheia de silêncios...
começam a GRITAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAR

t

    r  

       a  

           n

               s

                   b

                       o

                           r

                               d

                                    a

                                        m
pelos poros
Melancolia.
Tédio.
Não há barulho que faça essa sensação constante passar.

Era um deus pessimista


Mão de deus diz: Ei, filhote de saci, desce já daí, quantas vezes teu horizonte já não foi descrito: “fica no baixo, tu não é dirigível, nem avião de papel, fica no baixo”.

Gato diz: Não, não quero o baixo, me deixe no alto. Não quero chão, me deixe voar e sentir o vento bater em minha xota felina quando minhas pernas abrem em meus voos solitários.

Mão de deus diz: Quando foges e sobes no alto, machuca teu coração bobo, que pensa que pode voar. Poupa o trabalho do sonho que as durezas da vida entopem teu canal da simbiose. Fique na boa, viver tentando é dose.

Gato: Meu coração já está esfolado. Prefiro espalhar migalhas do alto do que sufocar preso à dureza desse chão. Daqui não apenas sonho, como vejo de cima outros sonhos, enquanto aperto meu baseado.

Mão de deus diz: Silêncio, felino, quem questiona não herda o reinado.

Gato: Mas come o rato que mora no alto.

Poema em parceria com Caipirinha da Silva

PiStOLeiRa do AMoreMundO





Entrevista realizada numa sala riscada de sangue em qualquer bairro de Bagdá, sob a espreita de seus 7,5 milhões de habitantes fervorosos.


É você mesma?
Sim, sou eu a pistoleira do "amoremundo",

bugiganga de um vagabundo

oriundo de um buraco negro

negro, negrume, pentelho.



Nascimento: Vômito de vagina maternal.

Endereço: Escadas da possibilidade mental.

Primeira passagem pela polícia: Estuprei homens que foram rudes comigo e com minhas amigas.

Livro preferido: Um bocado de baixaria com Michel Foucault.

Cor: O ferrugem das minhas engrenagens emotivas

Medo: Vaca, bois e afins.

Sonho: Transar com um vagalume gigantesco e me prover de luz

Citação: "Sou menos. Quando não sou líquida". H.H


Deixe um recado para quem por acaso ler este perfill:

Tudo começou com um pedaço de caroço que eu engoli, estava comendo uma fruta frugal, não me recordo exatamente qual, foi quando eu me dei conta de que não tinha fundos em minha conta. Percebi que estava tão pobre quanto uma cesta básica, quem vive com o básico? Resolvi que ganharia o mundo através de meus proibidos desejos. Me tornei quem sou e não me arremesso por nada. Permaneço impávida até que a luz me mostre um reflexo menos óbvio de mim.

20 de abr de 2012

Embriagados


Começo este post com uma das grandes filosofias nascidas no boteco: "Sou aquele vinho caro que você não sabe degustar porque só está acostumado com pinga barata". Li isso e fiquei pensando se era o vinho caro ou a pinga barata. Na verdade eu gostaria de ter o gosto que melhor agrade e embriague de vez, sem dó, sem remorso. Talvez uma mistura dos dois, um vinho barato.

Quase toda bebedeira tem um fundo de paixão e uma possível causa: o amor. Aqui não é diferente, e a vã filosofia em destaque também não. Mas tem os 'poréns'.

Se fosse um vinho caro, você degustaria uma vez, não teria ressaca, se lembraria de mim, mas nem saberia dizer meu nome, só quanto custou para beber. Do outro lado, uma pinga barata você só consegue beber misturando com outras bebidas. Eu odeio ser dividida, quero por inteiro. Assim, na dúvida sobre o que é melhor para mim ou para você, fique com o meio termo.

Quero ser o vinho barato para embriagar os sentidos, causar calor e calafrios ao amanhecer. Quero que sua visão fique turva e que na sua frente só a minha silhueta apareça e você lembre de mim, seja lá com quem esteja.

Ao deliciar-se comigo, você terá certeza de uma noite mal dormida, mas aproveitada como nunca e uma ressaca certa. Noite barata, noite divertida, noite do jeito que você quer se seja. Entre taças e mais taças, os goles serão cada vez mais enérgicos e, ao amanhecer, serei dona da sua mente e do seu corpo.

E quando a ressaca chegar e você jurar que nunca mais irá beber-me, saberá no fundo que me deseja como nunca, só não consegue naquele momento.

Então, da próxima vez, diga, sem medo: "desce um vinho barato, por favor!". Tim tim.



14 de abr de 2012

Esboço de um não-romance


(...)
Não me faça pedir desculpas eu por querer me afastar do mundo. Por não sentir mais falta de você. Quando sequer ando sentindo falta de mim mesma. Ando desesperada demais com essa dor que não tem nome, para me ocupar com essa dor que você sente por mim o tempo todo. Não tenho vontade nem de chorar, meus olhos já secaram. De falar, eu nunca sequer tive. Então sonhe com o dia em que eu voltar a me encontrar. Quem sabe eu poderia voltar para você. Mas enquanto eu estiver seca, não queira ouvir desculpas por eu preferir a solidão a tudo, principalmente à sua presença. Não há amor em mim que te baste. Não há nada aqui para você. Por enquanto, apenas sonhe. Sonhe com meus beijos, com meus abraços, com meus sorrisos. Com noites ao meu lado. Mas não espere que eu abandone minha reclusão. Não vou negligenciar o pouco que ainda resta de mim em mim. Muito menos por você. Então não vou pedir desculpas. E se você não quiser me perdoar, saiba que isso não vai dificultar minha decisão de ir. Apenas me deixe só. (...)

11 de abr de 2012

A atrevida do Sana


Pessoa recatada, Gabriela raramente chama atenção na rua. Ela sabe que tem uma reputação a zelar: seu trabalho não permite grandes exposições, seja por conta dos chefes, seja pela imagem da empresa séria a qual dedica os seus dias. No entanto, o furor que aparece em seus trabalhos nada mais é que um desvio das atividades que ela mais gosta de fazer, mas não tem tempo - ou lugar. Dessa forma que Gabriela apareceu numa região longínqua, quase terra de ninguém. Ou melhor: terra de pessoas livres. Liberdade. Isso que ela necessitava.

Árvores, cachoeiras, trilhas, cheiro de terra molhada, sol, chuva... tudo conspirava a favor dela. O mundo estava aos seus pés e ela sabia disso. Monta barraca, muda a roupa e parte rumo ao paraíso. Liberdade do corpo e da mente. Conversas froxas, risos largos, abraços sinceros, beijos... isso não, ainda está presa aos seus pensamentos cidadescos. Mal sabe ela que a sua hora está por vir. E cada vez mais perto.

***

Agora In Sana, insana. Dança como se não houvesse amanhã, diverte-se em suas próprias viagens, corre-se contra o tempo para fazer curar as dores do passado, busca-se mais sorrisos, mais gargalhadas. Ri das tragédias do mundo, chora pela felicidade dos amigos. Doce vida, doces sonhos, doces na alma.

Um rapaz de capuz se aproxima. Estranha a tal liberdade. Vê uma doida, mais louca que o normal na região. Bate os ombros, não se importa, afinal, quem era ela? Copos de cerveja e backs passam de mão em mão. Passam pelas mãos já dormentes de Gabriela que recusa cada um. Quer ver a Lua ir embora. Deseja que a noite termine e o Sol volte a brilhar e esquentar seu corpo. Não consegue.

***

Dia de cachoeiras, mais um dia de liberdade. Água gelada para lavar a alma de uma noite perdida. Ou melhor, aproveitada como se fosse a última. Mais uma viagem, só mais um dia. Entre amigos recém-feitos, diverte-se ao som de músicas que não distingue. Leva os amigos para a mesma viagem. Busca mais risos, um ombro amigo, uma conversa ao pé do ouvido e coincidências. Muitas.

Todos vão embora de repente. Vê-se sozinha, mas feliz. Extremamente feliz. Sonha com um mundo que não existe na realidade. A Lua volta a iluminar seus sonhos. Jamil, sem capuz, faz companhia. Não se sabe se em sonho ou real. Mas a conversa rola solta: falam sobre o céu, sobre trabalho, cantam juntos... luzes brilhantes, pessoas com cabeça de árvore, piadas sobre câmbrias e sexo...

Ele vai novamente. Ela fica. Ele volta. Mais conversas.
Ele, tímido. Percebe que a doida do dia anterior é outra pessoa.
Ela, tímida. Não vê a possibilidade de nada além de um bom bate papo.

***
Beijos. Beijos. Mãos. Mãos. Pescoços. Pescoços. Orelhas. Orelhas. Meta: ver o sol nascer novamente. Nenhum interesse a mais. Ao menos que se tenha falado claramente. Só os gestos demonstravam o objetivo real.

***

A cachoeira corre em frente, o som da água batendo nas pedras cria um ambiente favorável. Borboletas passam, passarinhos cantam. Jamil e Gabriela se entreolham. A natureza conspira. O desejo um pelo outro aumenta a cada segundo, a cada toque, e ali mesmo cedem aos apelos do corpo. Sob o nascer do Sol, aos olhos do mundo e do acordar das pessoas acampadas. InSana. InSano.

Roupas. Muitas roupas. Pessoas. Algumas pessoas. Grama. Uma infinidade.

As nuvens passam. A manhã chega. E como tudo que é bom, acaba mais rápido do que se deseja. O sonho acaba. Em poucos instantes. Hora de voltar a realidade. Pela hora, para casa. Para a cidade: aquela que não permite atrevimentos e liberdade. As luzes apagam, o show termina.

Ninguém esquecerá dessa viagem, real ou não, foi o dia em que Gabriela liberou o seu instinto e toda a sua vontade de viver intensamente cada segundo. Desta vez, o universo conspirou a favor.

24 de mar de 2012

Arpoador



Quero falar sobre a chuva, que durante a madrugada regou as ruas dessa
cidade de concreto. Sempre que estou triste, chove. É como se o céu chorasse por
mim as lágrimas que não derramo. E eu, que amo tanto sentir a chuva, nunca me
molho. Eu só ouço, só olho.

(...)

Nunca senti tanta necessidade de mergulhar no mar como nessa manhã. Só
para poder sentir, nem que fosse por um único momento, essa sensação de
liberdade que não é minha, que não tenho. Mas o mar percebeu o que eu queria e
colocou suas águas de ressaca. E me fez entender que eu não estava pronta para
me desprender de mim desse jeito. “Você não suporta sua liberdade”, ele falou.
Eu não mergulhei.

(...)

Subi as pedras e fiquei olhando o sol nascer. E todo o desassossego em
mim foi se diluindo com o sopro do vento salgado... foi se dissolvendo. Pena o azul do céu não ter vindo me cumprimentar e dizer: “Oi, tudo bem? Você por aqui? Escuta, tudo bem você não
ter entrado no mar. Estar por aqui já é um começo”. Só que ele não veio. Mas
mesmo escondido sob as nuvens, me presenteou com uma das paisagens mais
lindas que meus olhos já viram. Era exatamente o que eles precisavam ver e meu
corpo sentir. Céu e mar brancos. Os dois se amavam, gozavam sob meu
consentimento. Eles eram um só.

Concepção
Pensei em chorar, mas por quê? O que seria o pouco sal que brotaria de
meus olhos, comparado ao infinito sal que meus olhos contemplavam naquele
momento? Fechei as pálpebras secas e respirei fundo a maresia, enquanto sentia
a vida entrar em mim. E abri os olhos para ver a vida... nascer de mim.

(...)

Eu queria ser uma daquelas gaivotas que dançavam no céu opaco e
esfarelado. E escolhia sempre uma para acompanhar com o olhar, enquanto
imaginava como seria estar ali... e voar. Como consolo, o vento embalou com
carinho meu coração e sussurrou em meu ouvido que eu aprendesse a aceitar esse
corpo que limita minha alma. “Mas não deixe que seus pensamentos e sonhos se
limitem”. Mesmo falando baixinho eu escutei, apesar de toda a limitação que há
em mim.

(...)

Como podia a felicidade estar ali tão perto, todo esse tempo, sorrindo?
Ela estava ali, e eu não podia chorar em sua presença. Eu não tinha esse
direito. Mas eu quero, eu preciso de alguma forma, escoar a vida presa dentro
de mim. Só que não sei se meus olhos suportariam a enxurrada. Nem sei se essas águas
aliviaram o peso no meu coração.

Quando tive que ir embora dali, quase chorei.
Eu deveria ter chorado.

Eu não queria abandonar o consolo que encontrei para minha alma. Estou
tão presa em mim mesma, que já me abandonei demais.

(...)

Eu acordaria ali todos os dias de minha vida. Mas esse mundo em que
vivo, que não é o meu, não me deixaria fazer isso. Existe algum lugar para mim?
Um lugar além de mim, justo eu, que nunca me encontro. Não deixo de me
perguntar se eu suportaria lidar com a liberdade desse meu não lugar.

Eu fui embora. Voltei, mas ainda não sei se eu estava pronta para
voltar.

(...)

Descoberta
Enquanto eu caminhava pelas ruas, já sentia o coração que novamente
doía. Mas se não fosse essa dor, aquele nascer do sol não teria redimido minha
alma. Devo me perdoar pelos erros que acredito ter cometido? Foi quando, pela
última vez, ouvi o vento sussurrar:

“A tristeza é necessária para que você possa compreender a plenitude
de simples momentos de felicidade”.

Fui dormir triste.
Quando acordei, chovia novamente. Ainda chove... em mim.

18 de mar de 2012

.

Esse buraco cheio de lágrimas tento preencher com palavras, em vão. Sou
incapaz de expressar o que sinto para mim mesma, sou incapaz de preencher
linhas no papel. E essa necessidade nunca saciada me corrói a alma. Pesa em
mim. Sou uma poeta sem versos.

E quando tentar escrever o que nem sei sentir me consome demais, leio,
devoro letras de outros. Ler pode ser mais intenso do que horas, dias, meses de
existência. Às vezes, chega a doer.

Mas o que dói mesmo é a incapacidade de escrever e fazer com que
janelas de minha alma sejam abertas. E permitir essa luz que só brilha lá fora,
dentro de mim. Só há poeira, lágrimas, letras, solidão.

No dia em que pensei ir além de apenas existir, gritei, chorei, me
senti desesperadamente viva. E cavei bem fundo para procurar em algum lugar
algo que me sustentasse, que me fizesse suportar a sensação de viver. Mas não
havia... não há nada em mim. Além do eco do grito que não dei, que não para de
soar em minha cabeça. E dessa dor que me desorienta o espírito.

16 de mar de 2012

Episódio de hoje: a delegada de Olinda

Aaaaaaaaaah, o carnaval. Oportunidade ímpar em que moçoilas colocam para rodo suas pepecas em chamas, sem nenhum tipo de aflição moral. Nem preciso citar os rapazes que desfrutam vigorosamente dessa estação-anual-propícia-ao-amor (só para ser romântica) e saem metendo o pinto em uma vasta quantia de buracos quentinhos, que altruisticamente oferecem sem pudores seu almejado abrigo. O que percebemos é a concretização do ato filantrópico, para não dizer putaria declarada. Aaaaaaaah, valores humanitários!

Sendo assim, nada mais junto do que usar minha folia carnavalesca como gancho para contar um singelo episódio que apresenta singular moral da história: “A enrustição não leva ninguém a nada, posto que, em algum momento, a necessidade de movimentos pélvicos vai despertar coceiras em todos os seus orifícios, sejam anais, bucais, vaginais, narebais e afins”. E você, acostumada (o) a ser exemplo de puritanismo, vai degustar de um momento especial de total insanidade e perversão sexual. E o pior (para você, porque eu acho essas situações divertidíssimas), isso vai acontecer no meio de um monte de gente, o que pode te fazer acordar em crise existencial como jamais tiveras antes. É por isso que eu adoro ressacas morais. Nos outros, é claro.

Pois eis que juntei minhas tralhas, meti o pé da cidade maravilhosa e fui fazer pegação junto aos bonecos de Olinda. Cocotinha antiga da pista como sou, ninguém esperava de mim menos do que fiz. Beijei uns desconhecidos gateréssimos e não deixei sequer qualquer tipo de possibilidade para novo encontro. E também não copulei com ninguém, posto que eu não estava a fim de liberar minha refinada flor do campo para desconhecidos no meio da rua. Logo, eu jamais seria alvo de um post carnavalesco nesse blog. Então, vamos logo ao que interessa, já estou há três parágrafos falando meia dúzia de merda e ainda não entrei no tópico principal dessa fábula, que não tem nada a ver com a-vida-com-ela-realmente-é (ah-ha).

A delega
Eis que fui apresentada a uma jovem senhora, mulher madura, bonita, recém separada de um relacionamento de anos. A pobre entrou em depressão, fez tratamento psicológico e, apenas agora, meses após o pé na bunda, começou a se recuperar da dor de corno que a possuia ardorosamente. Super discreta e recatada, ela quase não bebe e, segundo uma de suas amigas, também não pegava ninguém diferente há anos. Mas aaaaaaaaah, não. Não poderíamos deixa passar em branco a oportunidade dessa pobre curtir seu primeiro carnaval mais soltinha do que arroz Tio João.

Eu, em companhia de dois filhotes de mal (para não dizer espíritos desprovidos de luz superior), levei essa moça para as famosas ladeiras de Olinda, na intenção de que ela fizesse uma pegaçãozinha básica, nada de mais, sabe qual é? Só pra abrir espaço na aglomeração de teias de aranha entranhadas na boca. Levando em consideração que ela é nada mais nada menos do que uma delegada com um posto pica das galáxias no sudeste, boba que não é, colocou um boné e óculos escuros para não ser reconhecida nas vielas escuras da vida carnavalesca.

E foi aí que começou
Para variar um pouco, comecei a encher o pote insanamente com minhas consortes, e a delegada que estava na vibe, inventou de acompanhar a gente.... ai, papai. Não demorou muito para que, em vez de dar uns beijinhos em um aqui, outro ali, ela simplesmente começasse a enfiar língua na boca de geraaaaaaaaaaal que visse pela frente. Enquanto ela estava só agarrando os moços feito uma taradona no cio (e não queria saber se estavam acompanhados ou sozinhos), tudo bem, ainda estava tranquilo.

A merda foi quando a louca simplesmente começou a bolinar o órgão sexual-peniano-masculino de tudo que é macho que via pela frente, praticamente transformando as chapeletas desconhecidas em um quibe no processo de preparo. Papai, tensão total. Em um dado momento, um dos rapazotes sexualmente molestados por ela, cheio de dor no pintinho recém-apertado, gritou: “Rapariga da porra!”. Adoro as nomenclaturas nordestinas. Faltou pouco para eu ouvir o adjetivo “rameira” ou “meretriz”. Sensacional. A Delegada de Olinda apertou a-cobra-que-cospe-sabão de geral, trocou saliva com todo mundo e mais um pouco e, por sorte, passou desapercebida com seu disfarce na linha Clark Kant.

Ela quase se safou
Eis que cansadas, resolvemos partir para casa, descer as ladeiras de Olinda em busca de um táxi para, enfim, abraçar nossas camas após um animado dia de folia. E não é que não contente em ter feito a pegação que entrará para os anais da história de Pernambuco, a porra da delegada doidona me começou a gesticular e berrar na rua já vazia, feito uma louca: “Eu quero roooooooooooooola! Não tem uma roooooooooooooola aquiiiiiiiii! Eu quero uma roooooooooooooooola bem graaaaaaaande!”. Uma insana.

Mas não pensem que a graça foi essa. A graça foi ver um engraçado vir correndo em nossa direção, assustado com tão adorável discurso (ou seja, chocado com a situação), para perguntar todo esbaforido: “DELEGADA, A SENHORA TÁ BÊBADA?”. Preciso dizer que eu caí desesperadamente na gargalhada nesse momento? Nossa heroína teve a identidade revelada no auge de sua liberação-verbal-da-intensa-necessidade-de-atividades-do-coito que a afligiam naquele momento. Foda-se, achei engraçado e ri mesmo. Alto, por sinal.

Não contente, após esse vexame, ela começou a molestar sexualmente o taxista (que era um gostosinho, mas ficar apertando o pau do cara foi sacanági). Fato esse que só descobrimos quando o pilantra abriu o cinto, provavelmente para facilitar o trabalho manual que estava sendo realizado pela moça sentada atrás dele. Ao perceber o que ocorria ali, demos um berro, eu agarrei a mão da maluca, que ria feito uma pomba gira possuída, e a proibi de se mexer.

E não é que no fim todos sofremos e pagamos devidamente nossos pecados? A Delegada de Olinda simplesmente vomitou o táxi inteirinho – bem feito pro filho-da-puta do motorista que facilitou os afagos de uma trêbada no seu pinto -, respingando boa parte da secreção estomacal em mim (pobre de mim!) – bem feito para mim, que fiquei rindo compulsivamente após a revelação da identidade secreta da delegada.

Mas é claro que no dia seguinte ela não lembrava de nadica de nada. Para nós, ficou claro que aquele ser não era ela, era a materialização do capiroto encarnado em seu pobre corpo embriagado. Ainda assim, não acostumada com as sacanágis da vida, ela se sentiu tão mal que não saiu com a gente nem mais um diazinho sequer. Pena. Poderia ter aproveitado muito mais.

E é por isso que eu digo, meus caros. Enrustição, não. Liberação total de seu furor pélvico contido, sim! Mas sem faltar o respeito com o outro, é claro. Nada de sair fazendo quibe no pintinho dos moços ou bolinar a pepeca das moças sem permissão. Mas estando tudo liberado, o importante é ser feliz. E viva o carnaval de Olinda.

15 de mar de 2012

Um cabaré, algumas performances e uma lambida no pé


Parecia que eu tinha entrado em uma psedo-Nárnia, um mundo mágico com seres estranhos tanto quanto estátuas do século XIX para uma festa daquele naipe. A noite era de Cabaré e atravessei os portões daquele palacete encantado em busca de diversão.

Estava com uns amigos, mas cada um no seu estilo, parecia até que não estávamos juntos, ou que éramos completamente desconhecidos tanta era a diferença entre nossos visuais. Mas junto aquela gente toda, era fácil nos encontrar, assim como todos os outros amigos. Estávamos diferentes e todos os outros iguais: moderninhos em busca de identificação. Nosso objetivo era outro. Qual? Não sei, só tenho certeza que não era para ficar indiferente aquele grupo de pessoas.

Um grupo adentrou ao salão do Cabaré enquanto uma banda tocava algumas canções. Vestidos de festa, roupas de couro, fraldas, saias, sandálias, máscaras, chicote e nudez, tudo junto nas mesmas pessoas e no mesmo lugar. Uma miscelânea de cores, imagens, formas e sons. Entre cervejas, caipirinhas e tequilas, levamos a noite. Dançamos, nos esbarramos, beijamos. Ficamos todos doidos demais para suportar a paralisação de alguns cidadãos naquela de devia ser a noite da saliência carioca. Fomos zoar o plantão. Mais álcool em nosso sangue já ralo. Mais entorpecentes para liberar a mente.

Então, no sofá em uma viagem profunda, alguém levanta meus pés como em um filme dos anos 20, me senti realmente aquelas damas que moraram ali. O sapato foi tirado e senti aos poucos algo molhado. Por todo o pé. Olhei e ficamos ali: eu na mesma posição enquanto ele acariciava meu pé com a boca. Não mais que de repente, estava novamente no meio da multidão, agora descalça, com os pés no chão sentindo outras texturas, entre mais amigos e bebidas, nos permitindo mais algumas doses para colocarmos o bonde na rua a caminho de casa.

Uma festa dessas só no próximo ano. Ou melhor: acho que nunca mais. Ou é fácil encontrar alguém em uma festa temática que você nunca viu para cair literalmente a seus pés e lamber o chão que você pisou? Algo como voltar no tempo e sentir mulherzinha, algo profano e puro ao mesmo tempo, momento de liberdade e realização. Saliente, envolvente e nada invasor.

3 de mar de 2012

Quase uma carta de amor


Amor da minha vida,

Não sei  bem como começar a escrever isso para você. Poderia ser subjetivo, fazer metáforas, dar a volta ao mundo, mas seria maldade, uma ofensa a sua inteligência, assim, aqui, a ideia é a objetividade, então, acabou.

Antes de você se desesperar e aforgar-se em lágrimas, saiba que amo você. Suas risadas, seu corpo, seu cheiro, seu beijo... tudo me enlouquece de tal forma que não consigo me controlar quando estou ao seu lado, mas... quero amar outras pessoas.

Não se choque com minha sinceridade, sou assim, nunca gostei de enganar as pessoas ou magoá-las além do necessário. Pense no lado bom: faço isso na intenção de nunca sacanear você, pois mais dia ou menos dias isso iria acontecer, me entregar a outros braços faz parte da minha natureza, e eu não posso ir de encontro aos meus instintos.

Sei que irá me xingar e nunca me perdoar pelo que estou fazendo, mas entenda a minha situação: sou do mundo, sou o meu mundo e você fez parte dele. Sei que o romantismo tomou conta de mim muitas vezes e que eu disse que o meu mundo era você, mas foi o calor do momento, acho que sabe o que quero explicar...

Assim, finalizo aqui essa linda relação que a gente viveu dando a você a certeza que continuarei amando você e preservando esse sentimento. O futuro nos reservava o fim dele, e, parando por aqui, ele nunca acabará, terá sido o amor mais fantástico que terei vivido!

Agora, daqui para frente, o destino será responsável pela nossa felicidade e, se for da vontade dele, um dia volto para você, quem sabe?

Sabendo que sempre sentirei saudades, com amor 

Sua cara metade

19 de jan de 2012

Na galeria

Quando eu era jovenzinha, assim, igual a você, mas eu nunca tinha era ouvido falar desse negócio de gozar, viu? Aqueles tempos eram outros, sabe, minha filha? Tudo era muito segredo, moça de família só via um pau depois do casamento. Ainda assim, não sabia o que fazer com aquele troço. Se soubesse, tinha de fingir que não sabia, porque saber mexer em pau era coisa de puta, mulher da vida.

Aí, pra você ver. Eu que não sabia de nada, porque era moça virgem de família, tive uma lua de mel muito da merda, viu? Eu não sabia como mexer naquela coisa dura na minha frente, e o Antônio também não ajudou muito não. Saiu metendo a pica grossa aqui em mim de qualquer jeito, e eu que não sabia se aquele negócio de noite de núpcia era bom ou ruim, só senti dor. Com o tempo, nem doía mais tanto, ficou suportável. Mas bom, ah, isso não era não. Fiquei foi é aliviada quando minha mãe falou que era assim mesmo, porque moça de família não podia gostar dessas coisa, tinha era que abrir as perna para satisfazer as necessidade do marido e ter filho. Aí eu pensava, “ah, que bom saber que não tem nada de errado comigo”.

Antônio era muito bom pra mim, sabe? Mas não sabia fuder direito não. Fuder mesmo, ele só fudia com as puta da zona, que hoje eu sei. Mas isso aí só fiquei sabendo bem depois dele ter partido dessa pro outro lado. O apelido dele na zona era pica de ouro, mas esse ouro mesmo eu nunca senti foi não. Só fiquei sabendo disso depois do meu segundo casamento, com o Adalberto. Eita, mas esse era mais carinhoso que o falecido, viu? Mas esse negócio aí de gozar, esse eu ainda não sabia nem nunca tinha ouvido falar.

Até o dia em que eu tava na feira e uma mocinha muito bonita me reconheceu na rua e perguntou pelo Antônio. A pobre não sabia que ele tinha atravessado pro outro lado. Eu não sabia que ela era puta. Mas ela sabia que eu era a esposa do falecido. Ih, mas quando eu contei ela chorou foi por demais, que me chegou a dar dó da pobrezinha, viu? E eu sei é que conversa vai, conversa vem, eu que ainda era moça nova e inocente e não entendia nada desses negócio de mulher da vida, fiquei condoída e convidei a amiga do falecido para tomar um cafezinho lá em casa.

Aí ela veio falar dessa história de gozar que eu não entendia, que era muito bom, essas coisa toda que eu nem nunca tinha ouvido falar. Expliquei que eu era moça direita, de família, que só abria as perna pro marido fazer os trabalho e poder ficar satisfeito. Ih, mas a moça riu por demais e disse que ia me ensinar umas coisinha. E começou a ficar me alisando, me mostrando que aqui é bom, aqui também, e eu briguei com ela, mas que abuso era aquele? “Sou moça de família, ei!”.

Mas ela tanto insistiu que eu fui gostando. E ela foi alisando meu peito, colocou a boca na minha xota, e eu sei que quando eu vi, subia uma coisa de lá de dentro que parecia explosão e fiquei toda melada lá embaixo. Aí ela disse que eu também podia fazer essas coisa sozinha, que também era muito bom, que eu devia de tentar. E me fez fazer tudo na frente dela, que era pra ela ver se eu fazia direito. De começo foi meio difícil, mas com uma ajudinha dela aqui, empurrãozinho ali, foi que foi uma maravilha, eu não sabia que dava pra eu fazer aquelas coisa toda comigo mesma sem ajuda de ninguém!

Aí ela me explicou que eu devia por fazer mais um monte de coisa com Adalberto, que os homens gostavam muito, que era assim que puta fazia e por isso os homens largavam as mulheres em casa pra ir pro puteiro. Ela me ensinou a tocar punheta, pagar boquete, prender o pau com a xota, falar sacanagem, rebolar de um monte de jeito, fazer um monte de posição diferente, dar o cu e usar umas coisas de lingerie que não tapava era nada. “A intenção não é essa. É que eles gostam de olhar. E preferem as vermelhas de renda. Tenho uma novinha na minha bolsa, acabei de comprar. Toma, fica de presente pra você”. Primeiro fiquei muito assustada, mas depois me senti por demais de agradecida com a boa vontade da moça em me ensinar tudo com tanto cuidado e destreza.

Porque choque mesmo eu levei foi quando ela viu minhas fotos de casamento e contou que conhecia Adalberto porque ele ia muito no puteiro. Ela disse que ele era muito do bom comedor de xota e adorava sacanagem. Ah, mas disso eu não gostei não. Fiquei muito foi da danada. Se meu marido tinha que ir na rua comer puta, eu ia ser puta pra ele na cama e não ia de dividir ele era com mais ninguém, viu? Foi o que eu pensei, né, minha filha? Aí, quando Adalberto chegou em casa, eu tava lá, toda arreganhada, esperando ele com um troço todo enfiado no rabo, que me assava a buceta e o cu todo, mas que eu aguentava porque Rosicleia falou que ele ia gostar. Eu pensei que ele ia ficar todo feliz, mas quando me viu tomou foi é um susto. “Mas o que é isso mulher?!?! Você ficou desmiolada?”. Mas eu nem dei tempo dele falar mais nada, saí abrindo a braguilha dele e meti a boca no pau, coloquei tudo de uma vez só.

Ih, mas ele ficou foi é doido, viu? Aí falei sacanagem, rebolei de tudo que é jeito, igual Rocicleia ensinou, dei o cu e ainda engoli a porra. Ele ficou igual esses cachorro quando tão no cio, fez umas coisa muito gostosa em mim, melhor do que Rocicleia tinha feito. Ih, minha filha, aí que eu gozei por demais, várias vezes, muito bom. Não sabia que esse negócio de sexo era bom não, viu? Porque moça de família não comentava essas coisa e só podia abrir as perna pra satisfazer marido.

Mas não é que depois disso tudo, quando eu achei que ia ter Adalberto só pra mim, sem ter que dividir com as puta da zona, ele me largou no dia seguinte? “Se eu quiser puta, vou num puteiro. Moça de família, futura mãe de filho meu, não faz essas coisas não. Pode arrumando suas trouxas e se mandando daqui, que piranha debaixo do meu teto não sustento. Sei lá o que você pode fazer quando eu não tiver em casa”. Eita, mas eu fiquei foi é por demais de desesperada. Chorei, esperneei, expliquei que eu não ia fazer era nada com ninguém não, mas não teve jeito. Puta dentro de casa, ah, isso ele não queria.

E eu que não sabia fazer era nada, não conhecia quase ninguém – porque moça de família não podia ficar se dando ao desfrute por aí –, nunca tinha trabalhado, fui procurar Rocicleia na zona. Foi lá que fiquei sabendo que o apelido do falecido Antônio era pica de ouro. E não é que esses homem todo não gastavam de uma puta? Via tudo que era marido de conhecida minha procurar mulher da vida no puteiro. E foi lá no puteiro que eu ganhei foi é muito dinheiro, fazendo tudo e mais um pouco que as moça de família não podiam fazer.

Ih, mas eu gozava era muito, viu? Lá eu podia ser qualquer coisa, fazer o que quiser, que eles até gostavam. Mas se eles gostavam tanto, só não entendia porque não queriam saber de casar. Depois de um tempo eu já tava cansada da vida, eu queria um marido, entende? Eu sabia me comportar, porque diferente de quase todas as puta, sempre fui boa moça de família, não fui criada assim de qualquer jeito não. Eles gostavam muito da minha trepada mas também gostavam da conversa. Tinha uns que largavam as esposa em casa e iam era pra zona passar o dia só comigo. Mas casamento? Ah, não senhor, isso nenhum deles queria comigo não.

Aí, minha filha, fiquei velha, mas fiz meu pé de meia. Hoje não dá mais pra fuder, tá tudo caído, mas tenho uma lojinha de artigos pra casa que construí com dinheiro que juntei da época em que eu era da vida. Quando eu era puta eu tinha mania de ficar olhando todas as coisa que eu queria de ter se tivesse uma casa com marido e filho, aí tomei gosto pela coisa e hoje vivo disso. Todo dia vendo um pedacinho dos meus sonhos pra essa gente toda que vive entrando e saindo daqui do meu estabelecimento. Porque casar, isso não consegui não. E agora que tô velha, ninguém mais nem me olha. Até esses velho da minha idade só querem saber de menina novinha, sabe, jeitosinha assim igual a você.

Mas hoje em dia as coisas são diferentes, viu? Homem não liga mais tanto pra esse negócio de ser puta não. Tem marido até que leva esposa todo dia pro puteiro pra ela trabalhar, mas vê se pode isso?! Hoje eu vejo esses jovem daí falando que gostam disso, colocam mão naquilo, mulher casada falando putaria e comprando sacanagem nessas loja que vende produto de safadeza pra homem e pra mulher. E quer saber, esse povo é que é feliz. Bobo são esses homem aí que não sabem dá valor pra mulher que sabe usar bem a xota e trabalha direitinho com a pica. Essa juventude de hoje é muito mais esperta que o pessoal da minha época, sabe? Mas e você, minha filha, já decidiu o que vai comprar?