Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

30 de out de 2010

A Vanessão, minhas considerações.

Às vezes eu me sinto um travesti...
No instante em que me enxergo à margem, me sinto uma mulher no corpo de um homem, desfigurado pela ansiedade do abrigo. Um corpo massudo, que grita guturalmente sem ninguém ouvir, dançando e se movimentando na música da esperança.
No entanto, ninguém ouve, o grito vai de dentro para dentro dele mesmo, ecoando ao nada, passando longe dos tímpanos gastos, longe dos olhos refluídos.
Me sinto um travesti quando atropelo meus próprios contratempos, os que são criados pelo meu âmago contristado de tanto perder a guerra.
E quando me vejo com as mãos nas partes íntimas, feridas de tanto atritar-se com o mundo que não me alcança, me sinto um travesti de coração partido à beira do caminho.
Perdida numa penumbra de solidão corpórea que não se atrela ao pensamento concatenado de pessoas triviais, eu me sinto uma mulher, presa ao corpo de um homem.
Trajando roupas não compreendidas, à noite, me sinto um travesti no meio da imundice inexplorada de ideias desocupadas.
Me vejo precisamente igual a um travesti quando me falta conhecimento, quando sei que sou laica ou, quando, num ímpeto de desespero, por consentimento, mijo em pé, anulando a genética do meu cadáver de mulher.
Me sinto um travesti quando quero pulsar a arte para fora de mim e a língua cingida me esgana por dentro, pendendo cansada para fora do meu homem confuso.
E quando preciso ser abrutalhada e rude por sonhos de aventuras incandescentes, não me reconheço célere no espelho. Entre as pernas, experimento a redenção que serve para alimentar a fome das entranhas em brasa. Meu triunfo e meu declínio. Meu falo, que fala por mim, quando eu me calo. 

28 de out de 2010

Ditadura consentida


Deve ser duro para aqueles que viveram durante a ditadura militar e tentaram lutar contra o sistema político da época, relembrar tempos tão sombrios; sofreram torturas inimagináveis nos frios e úmidos porões; dormiram ouvindo gritos desesperados dos amigos, pessoas queridas, sem poder estender a mão para ajudar, porque sequer se aguentavam. Suportaram (ou não) atos humanos – nada de dizer desumano, apenas o homem é capaz de cometer tantas atrocidades contra seus semelhantes. Deve ser duro ter a sensação de impotência e ver as esperanças desmoronarem, quando havia tantos sonhos, tantos planos, tanta expectativa de um futuro melhor, um futuro em que a liberdade seria uma possibilidade.

Deve ser muito duro para mães, filhos e filhas, esposas, maridos, não saberem até hoje o que de fato aconteceu com aqueles que tanto amaram em vida. Deve doer não ter nunca recebido uma resposta, ao menos uma palavra de consolo garantindo que o sofrimento já passou, tudo acabou, descansa agora em um lugar melhor. Mas essas palavras não foram ouvidas, famílias inteiras se mantiveram durante muito tempo agarradas na desesperada esperança de que alguma resposta chegasse. Mas nunca chegou. Deve ter sido duro. Talvez ainda seja.

Também deve ser muito duro para os pobres diabos que ficaram e sofreram em nome de uma ideologia besta, sem ter perdido todo o romantismo que corrói mentes muito cegas e teimosas, perceber a que ponto a sociedade chegou. Bem longe da ilha Utopia, como descreveu Thomas More, e como por incrível que pareça, alimentou alguns muitos corações inocentes. A sociedade parece ter estacionado na ilha da Ilusão Democrática, local onde os cidadãos são bombardeados a todo o momento por informações tão comuns, tão iguais, que não vêem a mínima necessidade de sair da mesmice e conhecer novas águas. São engolidos por uma cultura que insere valores como o narcisismo, propaga a alienação e o conformismo, vendendo tudo isso como progresso social sustentável.

É muito fácil simplesmente culpar os governantes pelo atual total estado de torpor humano, quando ninguém é capaz de levantar a voz para de fato contestar, para dar a cara à tapa. Os poucos que se prestam a esse papel, ou são condenados por não conseguirem resultados (dos parasitas que apenas sugam seus esforços, sem dar nenhum apoio além da cobrança) ou são apontados como anarquistas, vagabundos, baderneiros. O que impede a mobilização não é o medo ou qualquer tipo de intimidação direta dos órgãos que detém o poder. Simplesmente as pessoas são doutrinadas a se deixarem levar, sem qualquer questionamento.

São incapazes de ver sua mediocridade, seu total descaso e responsabilidade pelo limbo em que se encontram. E como o ser humano não tem competência para admitir os próprios fracassos, ele arranja alguém em quem colocar a culpa. E culpa aqueles que eles mesmos colocaram no poder, sem adotar para essa escolha critério algum. Afinal, o Collor está no senado. Garotinho foi eleito deputado federal no Rio de Janeiro e Roriz teve o maior número de votos para o cargo de governador do Distrito Federal, onde se localiza a capital da nação. Mas não posso ser tão injusta com esses senhores. Da mesma forma que o ser humano não aceita seus próprios fracassos, ele também não desperdiça a oportunidade de exercer poder e usufruir os frutos que esse poder dá.

Quando a impunidade é latente e a população é estúpida, não há governante que não tire proveito. O bicho homem tem dessas coisas. E no final das contas, não sei se tudo mudou demais ou se as coisas continuam na mesma. Ativistas saíram dos porões da ditadura, para que o cidadão comum pudesse mergulhar na escuridão do total descaso, desinteresse e alienação, decompondo-se por lá mesmo, sem perceber o cheiro pútrido que exala de suas carnes. Já os detentores do poder descobriram uma maneira muito mais fácil e divertida de se manterem no Olimpo. Que a ignorância é necessária, todo mundo sempre soube. A sacada de mestre é quando o excesso de informação torna a ignorância uma opção. Mas não culpemos a tecnologia. A culpa é nossa mesmo.

27 de out de 2010

Ménage sem ménage


Ah, o etílico... sempre nos proporcionando momentos memoráveis, que guardamos sem remorsos ou escrúpulos em nossos humildes e palpitantes coraçõezinhos. Agora, por exemplo, acabo de relembrar uma agradável ocasião que vivenciei com queridos consortes, tão propícios ao álcool quanto eu. Imagine você uma cama de casal, mais quatro púberes na flor da idade, com hormônios em pleno êxtase. Some a tudo isso uma quantidade razoável de bebida alcoólica e sinta o romantismo no ar... resultado? Dois filhos das putas copulando do meu lado, enquanto eu não podia fazer o mesmo, já que o ser vivo portador de um pênis que estava mais próximo, não ficaria de pau duro comigo nem fudendo. Mas nem fudendo mesmo.

Foi mais ou menos assim: degustei do prazeroso líquido com leve toque de cevada em sua composição o dia inteiro e, à noite, só queria dormir. Mas Codorninha Debochada estava sofrendo de uma puta dor de corno, e lá fui eu (bucha) ser solidária. Saímos com o José Cuervo para exibir nossos cobiçados corpinhos em uma festa a qual não fomos convidadas: ser penetra é uma arte. Passamos o fim da noite bebendo em um boteco e, como não tínhamos mais o que fazer, começamos a berrar meu amigo-que-não-me-come no rádio. Ele degustava de furtivos momentos solitários em seu lar, doce lar, ao que prontamente aceitou nosso saudoso convite, sem esboçar qualquer tipo de resistência como “porra, vocês estão me chamando para beber às 4hs da madrugada?”. Foi terminar a noite se alcoolizando com seus inseparáveis coleguinhas, como qualquer bom alcoólatra faria.

Desconhecendo até hoje o agente propulsor de tal ação, apenas sei que decidimos encerrar a dispendiosa noite em uma não-muito-confortável estadia na casa do Jose, às 6hs da manhã. Digo não-muito-confortável porque havia apenas UMA cama. Em contraposição, éramos QUATRO. Mas isso não seria problema algum se, depois de deitados, Codorninha e Jose não tivessem iniciado o ato do coito, assim, ao nosso lado, como quem não quer nada. Colocaram em prática a ação da penetração do pênis na vagina bem ali, fornicando debaixo dos mesmos lençóis que a gente.

E eu, que estava há mais de um mês sem levar uma boa de uma botada no botão frontal, quase chorei, porque nem nesse mundo nem no próximo, o indigente prostrado ao meu lado ia conseguir consumar o enlace do amor carnal comigo. Restou a nós dois atochar o travesseiro nos olhos e ouvidos, já que não havia potencial ali para uma memorável orgia de proporções escatológicas.

Para nossa felicidade, o animoso casal ao lado não estava tão animoso assim, devido, também, ao grau afetivo desenvolvido depois que eles param de ter relações sexuais e se tornaram bons amigos. Aquilo foi apenas um, digamos, flashback de duração máxima de 15 minutos. Nossa agonia não foi tão delongada assim. O pior veio depois.

Jose Cuervo, não contente em me fazer presenciar seu pífio desempenho sexual, ao fim do coito levantou com aquela geba molenga e murcha, começou a pular todo pimpão como um sapo no cio, dizendo os seguintes impropérios: “Olha aqui, Pina! Você não queria ver a minha pica! Então olha, olhaaaaaaaaa!!!!!”. Cena degradante, óh, carambolas. O garboso rapaz fazia referências as vezes em que eu disse que queria ver a espessura de seu acariciado pinto. Mas eu pedia aquilo apenas porque sabia que ele NÃO IA ME MOSTRAR.

No final das contas, tivemos ali uma prova de amizade. Apesar da necessidade desesperada de cruzar, não demonstrei inclinação para dar minha flor para o meu bem apessoado amigo – nem ele tentou me comer, apesar de minha estonteante beleza mourena indígena; a quebrada dos outros dois foi esdrúxula e dormimos os quatro de conchinha, felizes e contentes. Até o Jose cair da cama durante o sono, pois segundo a Lei de Newton, dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo, e nós éramos quatro. Jose foi obrigado a dormir sozinho, no sofá duro da própria casa, enquanto seus três amigos desfrutavam de magníficos sonhos abraçadinhos, na prodigiosa manjedoura onde outrora ele degustara aconchegantes noites de conforto pleno.

Concretizamos assim, ao desabrochar do dia, sob os primeiros raios de sol, nossa eterna e desinteressada amizade, do ponto de vista copular, é claro. Muito mais divertido e profundo do que aqueles míseros pactos de ketchup seremos-best-friends-forever.

26 de out de 2010

Cantadas na noite carioca


Apesar de ser uma donzela viril no auge da mocidade, desfrutando róseos momentos na tenra idade, estou só, sozinha, sem pegar ninguém. E direi o porquê, adoráveis leitores que por meio desta me acompanham. Não tenho mais paciência para as obscenidades que ouço nos buracos em que me enfio. E não pense você em referências sexuais, não, não. É que eu ando ouvindo coisas tão absurdas, que chegam a ser ofensivas aos meus deleitosos ouvidinhos. Por isso, muito francamente, não pego mais ninguém na noite, cansei.

Para ilustrar, contarei o singelo episódio que protagonizei em um desses agradáveis eventos da vida. Estava eu numa festa, linda e bela com todo o meu esplendor alto e moureno indígena, quando uma jovem infanta se dirigiu a mim e informou que um audaz mancebo desejava alguns minutos de minha atenção. Mandei às favas e disse que não, muito obrigada. Passados alguns minutos, ela veio novamente, insistindo naquela lengalenga, ao que mais uma vez expressei meu sentimento de desinteresse ao pretendente ludibriado.

Na terceira tentativa, em que ela disse que o algoz estava muito, muito, muito me querendo, resolvi analisar a fuça do moçoilo tão interessado, que não tinha culhão o suficiente para sequer puxar um papo saudável comigo e precisava desesperadamente da mediação alheia. Para meu espanto, era um gato. Então, pensei lá com meus botões: “Já estou bêbada, não tô pegando ninguém e o cara é bonito. Com qualquer cinco minutinhos de conversa, eu pego mesmo” - para você ver que, mesmo adotando uma seleção muito criteriosa, nem assim consigo me interessar por alguém que preste.

Enfim. Falei para a menina que eu conversaria com ele, ao que ela fez um aceno positivo para o amigo do rapazote que desejava meu corpitio – porque o palerma precisava de duas pessoas bancando o cupido para dizer apenas “oi”. Ao que o amigo dele teve a audácia de fazer um movimento manual, indicando que eu me aproximasse. Apenas virei para o lado e respondi gentilmente para a bondosa púbere que ansiava a formação de um novo casal: “Como é que é? Ele quer me conhecer e ainda quer que eu vá até lá? Ele que venha aqui, se quiser”. Porque sou bem dessas franquezas mesmo.

Ele chegou visivelmente alterado pelo etílico e começou a falar um monte de abobrinha, demonstrando claramente a necessidade quase patológica de contar vantagem sobre tudo. Mas vou encurtar o já delongado relato e ir direto para uma pobre reprodução de algumas passagens desse diálogo, que me fôra deveras peculiar.

Ele: Eu vivi na França durante uns cinco anos por causa do meu trabalho, tinha contato com todo mundo lá, conversava todos os dias com os gringos.
Eu: Je ne crois pas! Vouz pouvez parler en française avec moi, seulement un peu? Il est la premier fois qui j`ai l`opportunité de parler avec quelqu`un au-delá ma professeur.

(...) sonoplastia: grilos no ar.

Ele: Ah... você fala francês? ...sabe o que é? É que eu só conversava em inglês... você também fala inglês???? – perguntou, visivelmente preocupado.
Eu: Falo sim... – óbvio que nessa altura do campeonato eu nem tinha paciência para deixar o rapaz ainda mais constrangido, e preferi não pedir que ele falasse em inglês comigo.

Ele: Mas, além de jornalista, você faz mais alguma coisa?
Eu: Sou fotógrafa e dou aula na Candido e na Veiga.

Ele: Legal, eu também sou professor!
Eu: Eu não sou professora, apenas substituo alguns professores de vez em quando.

Ele: Ah, tá... mas eu também sou professor substituto lá na Veiga.
Eu: Ah é? Então me conta aí, em qual unidade da Veiga você dá aula?

Ele: Na Veiga lá de VICENTE DE CARVALHO.
Eu: (passada com o tamanho grau da mentira deslavada) Em Vicente não existe Veiga de Almeida.

(...) sonoplastia: novos grilos no ar.

Ele: Não, que é isso! Existe sim!
Eu: Não existe, não.

Nem preciso dizer que, pouco depois, ele virou as costas e foi embora, sem sequer (mas é claro) ousar insinuar que queria comigo algo mais do que um diálogo amigável.

Mas não termina por aíSemana passada, ocorreu outro saudoso evento que não posso deixar de relatar aqui. Um indigente bem aparentado, desses morenos altos e fortes que enchem o rabo de anabolizantes, começou a ser um baita de um inconveniente, soltando esporadicamente gracinhas ao pé deu meu ouvido como: “você está me deixando louco”, “você é a morena mais maravilhosa daqui”, “eu estou apaixonado”. Ao perceber que suas cantadas baratas sortiam como único efeito em mim um crescente ódio no coração, ele mudou de tática.

Pediu, de maneira muito cortês, alguns minutos de atenção. Com aquela cara muito contrariada, demonstrando claramente minha total falta de paciência para com ele, respondi um mero: “fala aí”. Ao que se desenrolou o seguinte:

Ele: Eu queria que você soubesse que tocou de maneira diferente o meu coração.
Eu: (Muito abismada) Ah, mas tu tá de sacanagem comigo? Tu não tem (SIC) vergonha de mandar uma breguice dessas pra mim, não???

(...) sonoplastia: grilos no ar.

Ele: Não... bem... sabe o que é? Você já deve estar acostumada a ouvir isso de todo mundo por aí. Mas eu quero que você saiba que EU SOU DIFERENTE DOS OUTROS. EU ESTOU SENDO SINCERO!
Eu: Continuo não interessada.

Ele: (Chocado) Mas por quê? Olha bem pra mim. Eu sou feio?
Eu: Não, você é o maior gostosinho, dá para o gasto.

Ele: Então, o que falta para a gente SE BEIJAR GOSTOSO AGORA?
Eu: Falta O MEU INTERESSE, E EU NÃO ESTOU A FIM.

Não preciso dizer que ele passou a merda da noite toda aporrinhando a porra do meu saco. O mais sensacional de tudo é que as pessoas acham um absurdo o fato de eu não estar ficando com ninguém. Como seu eu tivesse achado a boca e a pepequinha no lixo. Já ouvi um amigo dizer que, desse jeito, eu ia acabar ficando sozinha ad aeternum. Foda-se. Fico mesmo. Sem falsa modéstia, sou inteligente demais para aturar isso.

17 de out de 2010

Lívia - O anjo decaído



No início de todas as coisas terrenas, os anjos invejosos, seguidores de Lúcifer, foram banidos dos céus por cobiçar a existência carnal humana e os feitos de Deus. Da leva amaldiçoada que povoou a terra por centenas de anos, declinou o anjo protagonista desta história. No instante em que ele tocou o solo argiloso, trocou de cátedra e passou a ser acatado como demônio enganador. Este, logo assumiu forma de uma menina, linda, branca, suburbana, nascida de parto normal, com mãe humana, mortal e pecadora.

O anjo maldito, abolido dos céus, recebeu o nome Lívia, do latim, que significa pálida. Durante sua gestação nem a própria progenitora foi capaz de amá-la, e ao primeiro respiro maldito de vida, foi entregue ao afeto do homem pai. Que recebeu dos braços da mãe o corpo rechonchudo do bebê, consagrado ocultamente pelas forças do inferno, como mal encarnado em pele e osso.

Os anos se passaram, e o demônio escondido no subúrbio, aperfeiçoou-se na cia dos  humanos a arte de interpretar, fingir, persuadir, enganar. O anjo destruidor era movido apenas à ira, inveja e cobiça. Sentimentos esses, impregnados e costurados em seu coração de carne que pulsava cheio de astúcia e malícia.

Lívia abraçava a vida todos os dias, cumprindo a maldição de sua prole bestial, não tinha escolha, não conhecia outro caminho. Volta e meia encontrava outros anjos demoníacos diminuídos dos céus, para brindar e beber imundices, celebrando a possibilidade de estarem entre nós, reles mortais, vítimas de suas existências vazias.

Imunda por natureza e espontaneidade, o que mais assombrava era sua eloquência, fato que aprendera muito com os livros do pai homem mortal. Era realmente admirável a forma como as palavras discorriam pela boca, convencendo os humanos ofuscados, ludibriados. Seu rosto angelical escondia a verdadeira carranca animalesca que o próprio Lúcifer, líder e amigo íntimo, conhecia bem e muito estimava.

        Até pouco tempo a identidade maligna de Lívia que esteve oculta, veio à tona num encontro casual, execrado e necessário. A destreza e maestria de sua hipocrisia ignóbil embaçaram até mesmo os meus olhos, sempre atentos. Sua beleza e candura, somada à voz imponente, ajudaram-na, fortalecendo sua aparência falsa. Cheguei a crer em afeição e amizade, anseios que o mal jamais seria capaz de experimentar.

Assim como todos que cruzaram o caminho da enfermidade Lívia, tive meu pote de fel, dias de choro e dor, foi difícil deglutir as investidas satânicas. Coisas da vida. Apesar de consternação e pranto, sobrevivi. No entanto, muitos ainda jazem na escuridão das trevas do anjo mau, que permanece sedento, enganando e improvisando desgraças, devorando e destruindo tudo que toca, quando sente que é chega a hora, ela ataca.

Até hoje a verdade esteve camuflada, mas a internet liberta. 

ATENÇÃO: Qualquer semelhança ou identificação com o texto é mera coincidência.

12 de out de 2010

L'autre


Engajada com tanto esmero pela outra, se perdia dentre deslumbrados absurdos que fazia para parecer, mas nem de longe conseguia.Queria ser igual por natureza, coisa que nem a morte conceberia.  Contudo era só o que valia para quem por dentro se mostrava inteira e vazia .
Acordava dia a pós dia, e no café que bebia, sempre as mesmas gotas de vontade: – A outra é que me completaria!
Ardia!
O deslumbre na cara boba era explícito e pungente. Também a cabeça cheia de vento que se esvaia na monotonia, badalava as mil facetas de tédio por ela mesma.
Queria ser o que via de frente e por trás seguia. De lado muito sofria, mas de quina se abria intensamente, porém, até podia ser vista bela e potente no que deveras devia ter sido.
Uma tarde ganhou um biscoito da sorte e leu a mensagem que por ironia dizia: “Hoje te falta senso, verdade, originalidade e ousadia”. Comeu a massa seca e deu mais três passos rumo ao vácuo dos seus rasos dias.

10 de out de 2010

Acordei


Da inércia que congela o pensamento
Da auto-flagelação que alimenta o imbecil
Do desprezo que aumenta o sangramento
Do prazer que sufoca homem viril

Porque dormi por meses
Por vezes acordada, mas parada
Como um pássaro doído
Com fome e sem asas

Acordei e quero mais
Dessa vida tão pequena
Mistura de dessabores
E risada que envenena

Com um beijo me despeço
Com abraço, peço colo
De costas, nua em pelo
Sem palavras eu me mostro

9 de out de 2010

Isenção na puta que o pariu

Podem dizer que meu discurso é idealista, anticapitalista, de esquerda, revolucionário, o caralho à quatro. Foda-se. A verdade é que a cada dia que passa, eu fico muito, mas muito emputecida com esses veículos de grande circulação, que juram com seus pés juntinhos que não apóiam nenhum candidato nas eleições. Artimanhas utilizadas por grandes empresas – porque é exatamente isso que os meios de comunicação são -, que não querem perder público e alegam suposta isenção.

Mas apesar dessa minha crítica inflamada, sou assinante de O Globo, sim. Todos os finais de semana, deito eu, em meu humilde sofá, e leio as saudosas notícias. E ao acabar de contemplar o caderno sobre as eleições, não consigo ter outra sensação senão a de revolta. O jornal é simplesmente o mais escrachado exemplo de campanha eleitoral; favorece o Serra e esculhamba a Dilma. Pelo menos para mim, que tenho um mínimo de senso crítico.

E não pensem vocês, queridos leitores, que sou petista de carteirinha. Não senhor, muito pelo contrário. Votei na Marina no primeiro turno, e nesse segundo, vou me dar ao trabalho de ir às urnas eletrônicas para digitar um belo voto nulo. Meu post não tem como intuito o foco em nossos presidenciáveis, mas nessa indústria cultural, que não se dá sequer ao trabalho de refletir sobre sua função social e admitir posicionamento.

Será que jornalistas e editores que se prestam a esse papel se incomodam com a agradável situação, ou o dinheiro no bolso no final do mês já é o suficiente para que mandem a ética para a casa do cacete e continuem suas atividades laborais? E não venham me dizer que “o que eu estou dizendo não existe”, por favor. Não querendo cair no mero clichê, mas como bem diz o ditado, o jargão, ou sei lá o que é isso, o pior cego é aquele que não quer ver.

Análise do Discurso
Essa postura dos grandes meios não é novidade. Mas, como o momento é o agora, vou fazer uma pequena análise do discurso do O Globo de ontem, dia 9 de outubro de 2010. E quando digo pequena análise, digo uma análise bem pobre mesmo, não sou nenhuma grande adepta às práticas em campos linguísticos, muito menos valoroza conhecedora dos estudos iniciados por Foucault – que já haviam sido flertados por Nietzsche um pouco antes. Enfim, vamos lá.

Na página 3, temos uma retranca todinha voltada para uma leve xoxada na campanha de Dilma. Falam mal dessa senhora no Box inteiro, e apenas no último parágrafo, temos uma declaração favorável, ou pelo menos não tão negativa, em relação a candidata. Adorável exemplo do uso de fontes de todos os lados da história.

Na página 16 do jornal, temos uma matéria que “sugere” o cansaço da ex-ministra da Casa Civil nas campanhas eleitorais. Tipo, se a pobre coitada já está cansada na campanha, quem dirá o que vai acontecer caso seja eleita. Por pura coincidência, a foto que estampa tal matéria é uma em que todos estão muito felizes e contentes, enquanto a Dilma apresenta uma pomposa cara de bunda. Eu duvido, mas eu DUVIDO, que O Globo colocaria o Zé Serrinha com tamanha caroça em seu impresso.

Nas outras matérias, o tom se mantém o mesmo. Quando se fala da Dilma, é apenas para citar um dos milhões de escândalos que envolvem o PT – e as mudanças sofridas em um partido político que se vendeu totalmente para fazer parte do poder mereceria outro post, mas enfim, não vou me alongar por aqui. Afinal, sabemos que nessa democracia de merda, em que o povo é ignorante e vendido, ou você se corrompe, ou você fica a ver navios. Infelizmente, assim funciona nosso sistema político, a realidade é essa.

Mas voltando ao tópico anterior. Enquanto a Dilma é esculhambada, as matérias sobre o Serra apenas enaltecem sua popularidade perante os instruídos eleitores. Muito, muito, muito bom mesmo. E não é apenas uma mera coincidência. O mesmo acontece em TODAS as edições desse quiçá populesco jornal. E você acha que a maior parte dos letrados senhoritos e senhoritas que lêem o periódico, ou qualquer outro que seja, se dão conta disso? Du-vi-de-o-dó, coleguinhas.

Se bobear, muitas das pessoas que estão lendo o que acabei de escrever vão tirar a seguinte conclusão: “essa aí é uma daquelas malucas metidas a revolucionária, que enxerga mensagens subliminares em tudo que é lugar”. Pois é, então tá, sou maluca mesmo, doida de pedra. Para ser bem sincera, cheguei a tomar rivotril durante uns quatro meses, e só parei porque comecei a ter uns "pequenos chiliquezinhos" em locais públicos, devido a saudável mistura do medicamento com bebidas de elevado teor alcoólico. Mas isso também é assunto para um outro post.

Enfim. Vou parar por aqui, já escrevi para cacete e sei que as pessoas no ciberespaço têm, em geral, preguiça de ler. Apenas gostaria de finalizar com um sincero “Parabéns, Carta Capital”. E não estou babando ovo não, nem costumo comprar essa revista. Mas acho de uma finesse única um veículo que assume mesmo a porra da posição, e dá a cara a tapa. O divertido é lembrar de uma vez, em que entrevistei o editor da Veja no Rio para um trabalho acadêmico, e ele teve a audácia de me dizer que “A Carta Capital é um claro exemplo de veículo manipulador”. Sensacional.

8 de out de 2010

Fotografias do tempo

Fotografias. Nunca são invariáveis, nem mesmo simples referências de um momento. Como nossas recordações, elas mudam, se transformam, até mesmo se perdem no tempo. Ainda ontem, vi algumas das minhas fotos. Muitas já foram importantes, hoje, nada mais me dizem. Outras eram apenas simples recortes de um acontecimento qualquer, que se transformaram em um misto de saudades e nostalgia.

Vi o sorriso lindo de um grande amigo que partiu há poucas semanas, e me lembrei do quanto gostava – e ainda gosto dele. Mas eu não tinha plena consciência do quanto, até ele começar a me fazer falta e eu olhar o seu rosto junto ao meu, em uma cena tão banal. Mas afinal, são nas banalidades que construímos momentos especiais com quem amamos. Tão especiais que nem nos damos conta, mas conforme vão se perdendo em nossas lembranças, entranham em nossas almas. E quando nos damos conta já estão ali, enraizados, com se sempre tivessem feito parte da gente. E o que antes era só mais uma foto, se tornou uma imagem a qual atribuo juízo de valor inestimável.

Também me vi sorrindo, muito feliz, ao lado de alguém que amei de uma maneira que ainda não consigo explicar, mas que hoje só me traz recordações tristes. Muito tristes. E fiquei me perguntando como é que as coisas podem mudar tanto assim, em tão pouco tempo. E fiquei me perguntando no que eu estava pensando enquanto tirava aquela foto, em que eu parecia estar tão feliz. Porque eu sei, que no dia em que tirei aquela foto, eu já estava triste demais. Chorando demais. Por dentro. Então, que verdade aquele retrato pode me dizer? Que eu amei errado demais, que eu agi errado demais, que eu consegui me enganar a tal ponto que hoje, olhando a fotografia, quase consigo acreditar que em algum momento eu realmente fui feliz ao lado dele. Mas foi isso mesmo o que aconteceu? É isso o que o retrato me diz?

Vi outras fotos ao lado de alguém a que já considerei um grande amigo, mas hoje não consigo sequer olhar em seu rosto, me dá nojo. Mas nas fotos, estávamos muito sorridentes, e fico me perguntando se quando eu tirei aquelas fotos, eu poderia imaginar tudo o que aconteceria depois. Não, eu não poderia. Vi fotos ao lado de pessoas que eram muito importantes para mim, mas que hoje não representam nada, não fazem diferença alguma. E me perguntei se as pessoas que são muito importants para mim hoje, se tornarão indeferentes para mim amanhã. Vi fotos tiradas quando eu estava muito magoada – apesar de aparentar alegria -, e no exato instante em que me vi naquelas fotos, pude sentir uma pontada no coração, exatamente igual a que eu sentia durante aqueles cliques. Pelo menos eu acho que foram exatamente iguais. Nunca terei certeza.

Mas isso é o que eu vejo em minhas fotografias hoje. E me olhando no passado, percebo o quanto a ideia de ter um pedaço de minha vida registrada eu um quadro imutável, mas que muda a cada momento em que eu observo, me assusta. Eu não sei se amanhã vou ficar feliz quando olhar uma fotografia e recordar da pessoa que sou hoje. Mas não adianta temer os registros, com fotos ou não, de certas coisas a gente nunca foge. Porque ficam lá, impregnadas na gente. Como eu já li uma vez, fotografias são apenas registros, não são tiradas para se tornarem referências de recordações pessoais. As memórias podem (e devem) mudar com o tempo. E mudam. Havendo ou não, imagens para serem observadas.

6 de out de 2010

...


Vivo uma solidão morna. Tão cor de nada, que já me acostumei com o preto e branco. Minha boca não tem gosto. Nem amargo, nem doce ou azedo. Só o nada da saliva que insisto em engolir, na esperança de um sabor qualquer. Todos os dias, quando acordo, não tenho em quem ou em quê pensar. E meus pensamentos saem se perdendo por aí. Sempre param em lugares que não deveriam, manter a mente ordenada é um esforço constante. Mas tudo em mim é inconstante. Inconstante demais para ser notado. E fico vagando por aí, sem sentir cheiro algum. Os dias são sempre simples demais. Grito? Um grito interno. Quem sabe esse berro me faça explodir. Mas não há barulho quando ninguém escuta. Nem vou me dar a esse trabalho. Minha essência é sutil demais para que eu perca tempo com pessoas pouco inteligentes. Ainda assim, eu perco. E isso acaba comigo. Incomoda quando todo mundo olha, mas ninguém vê. Sou difícil demais de achar, fácil demais de perder. De mim mesma.

5 de out de 2010

4 de out de 2010

Onde até a eleição é motivo para piada

Com mais de 1 milhão e 300 mil votos, Tiririca foi a sensação da eleição de 2010. Uma pequena prova de que para o brasileiro, a política se tornou uma verdadeira palhaçada, afinal, é muito engraçado eleger alguém que usou como mote “Vote no Tiririca, pior do que tá não fica”, ou “Você sabe o que um deputado federal faz? Nem eu. Mas vote em mim, que eu te conto”. Confesso que fiquei um tanto quanto chocada quando presenciei audaciosa propaganda.

Anedotas à parte, talvez eu não devesse crucificar com tamanho fervor o pobre do Francisco Everardo Oliveira Silva, vulgo Tiririca. Vamos ser francos, se ele colocasse sua formosa face sem todos aqueles adoráveis adornos que compõem seu personagem, o engraçadinho jamais teria atingindo o ápice do sucesso eleitoral.

Devemos, então, saudar os responsáveis pelo seu marketing político, que tiveram a bela sacada de pensar como a afável camada popular, que transformou a oportunidade de exercer a cidadania com responsabilidade em um verdadeiro circo. Afinal, quem sabe o Tiririca esteja até bem intencionado, não tendo como único objetivo mamar nas suculentas e gorduchas tetas do governo?

Ora pipocas! Não vamos, assim sendo, esculhambar os métodos utilizados para atingir o altruísta intento, que seria buscar melhorias para a população. Vamos, sim, esculhambar o fato de o método ter sido previamente estudado, colocado em prática e, por fim, ter dado certo. Palmas para os brilhantes estudiosos que exercem com primor a arte da propaganda eleitoral, e para os eruditos eleitores que assim a concebem.

Fichar o quê?
Agora, o que não dá pra engolir de jeito nenhum, o que não tem desculpa, é a ocupação do primeiríssimo lugar no pódio fluminense pelo nosso digníssimo ex-governador, o Garotinho. Esse adorável senhor, que está com o nome mais sujo do que pau de galinheiro, tem uma extensa lista de processos nas costas, envolvendo casos de mão leve nas contas dos cofres públicos.

E o que é que o eleitor faz com essa singela informação? Manda às favas e vota nele de novo. Sensacional. Para essa eleição, o projeto ficha limpa só serviu mesmo para que seus padrinhos se vangloriassem do belo intento, arrecadando votos para si.

O mais engraçado de tudo é presenciar a atribuição social comum de que “é tudo culpa desse bando de ladrão safado”. Não, meu caro, a culpa é sua mesmo. A culpa é sua e da sua ignorância, pois você não sabe votar, não se dá ao trabalho de desenvolver sua consciência crítica e ainda enche a boca para dizer que odeia política. Muito bem disse Bertolt Brecht, “O pior analfabeto é o analfabeto político”.

Só de pensar que em Brasília o Roriz foi para o segundo turno, sinto cosquinhas na periquita. Para quem não sabe, o simpático rapazote está devendo à justiça eleitoral bem mais do que eu devo ao Banco Real. Eu deveria largar essa vida falida de jornalista e me candidatar a um cargo desses qualquer. Cara, não aguento com isso.

Apesar de evitar em qualquer circunstância a insanidade de desmerecer a importância do MEU voto, vou me manter imersa no ceticismo em que me encontro. E me desculpem a franqueza arrogante, mas estabeleço aqui uma máxima: povo burro tem mais é que comer capim mesmo. Eu, hein.

Darwinismo