Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

17 de fev de 2011

O dia em que eu não existi

Peguei minha roupa e perdi meu corpo, enquanto a fruta que comia caía no chão. Gritava sem voz entre surdos que andavam a esmo, chutando para longe minha existência. Chorava um rio amargo e sujo, enquanto beijava a sombra de um amor que já não estava mais.

Nesse dia, o verão teve céu branco. Nem azul, nem cinza. O céu estava branco, e eu estava vermelha de tanto gritar para ninguém. A vista se perdia entre os planos também perdidos. No dia em que eu não existi, eu me senti miseravelmente viva.

Um comentário:

Áhh, que fofo você comentar!!!