Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

22 de abr de 2011

Relatos de uma puta assumida


Sou uma prostituta de espírito empreendedor. O mercado é competitivo. Muita mão-de-obra barata. Mas a demanda é excessiva e eu sei exatamente qual é o meu público alvo. Tenho em meu currículo alguns extras que me tornam referência nesse nicho. E foda-se se levei um pé na bunda do garotinho por quem fui apaixonada na escola. Foda-se se levei porrada dos meus dois ex-namorados. Foda-se se sofri abuso sexual na infância. Não vou ficar aqui buscando um discurso que justifique minha produtiva profissão, em que mercantilizo meu corpo segundo os padrões capitalistas e as máximas do marketing. Prefiro fumar minha maconha, enquanto leio Lévi-Strauss. Sou uma puta intelectual, com inclinações ao estudo antropológico. Ajuda muito no meu trabalho.

Gosto de fazer sexo. Da minha buceta molhada nem sei quantos já sentiram o gosto. Sempre dizem que sou muito gostosa, tem algo de adocicado no meu gozo. Fico excitada com muita facilidade. Apesar de ser totalmente profissional, trabalhar para mim sempre foi um prazer. Só lamento ter que usar camisinha. Gosto de sentir o esperma invadir meu útero, enquanto o cliente berra de prazer na sua ejaculação. É gostoso. Minhas tendências utópicas se resumem em sonhar com um mundo onde as doenças sexualmente transmissíveis não mais existam. Gosto da sensação do penetrar na pele, esfregando dentro de mim. Sinto cada veia dilatar, cada momento com precisão.

Sonho em me casar um dia, assim, de véu e grinalda, a porra toda, em uma dessas igrejas católicas bem caretas e convencionais. A cultura me afeta, o que posso fazer? Pedidos eu já tive aos montes. Mas nunca encontrei alguém que aceitasse minha única condição: “Benzinho, não vou deixar de ser puta só porque estou casada. Prezo pela independência financeira da mulher, e dar é o que sei fazer de melhor, você sabe”.

Simone Beauvoir disse que não se nasce mulher. Torna-se. Pois eu já sou puta desde que me entendo por gente. Gostava de me sarrar na quina do sofá, enquanto assistia filmes de sacanagem escondida da vovó. Adorava tocar um punhetinha para meu priminho mais velho, no fulgor da inocência infantil. “Luz da minha vida, é que eu preciso entender esse papo de Freud, essa tal de inveja do pênis. Deixa eu pegar nele só mais um pouquinho, vai? É tão bom... se eu não tenho um só para mim, por favor, deixa eu brincar com o seu?”. Fui eu que fiz com que ele gozasse pela primeira vez. No início, o líquido vinha bem ralinho. Mas quando começou a ficar pastoso, com um cheiro forte, do jeito que eu gosto, passei a engolir tudinho, de uma vez só. Ai... saudades da minha doce infância.

Depois que meu priminho se mudou, comecei a expandir meus horizontes com Mariazinha, uma jovenzinha que conheci na missa. Uma santa, aquela menina. Queria ser freira. Tocava em mim uma siririca como ninguém. A sacanagem que rolava entre a gente – que às vezes contava com a ilustre participação do coroinha da igreja – fez com que a pobrezinha entrasse em crise existencial. Apresentei a ela Nietzsche. “Flor do campo, você é uma super-mulher. Esqueça essa baboseira toda, deus está morto”. Depois disso, ela incorporou o existencialismo sartreano e mandou às favas a moral religiosa. “Mas meu docinho de coco”, dizia eu, “Sartre não era contra a moral e os bons costumes”. Ela dava aquele sorrisinho de safada e respondia “Mas minha bucetinha de ouro, desde quanto gozar é amoral?”. Ela aprendeu rápido.

Depois da foda, costumávamos ficar horas e horas na cama, fumando nosso cigarro, discutindo aquela baboseira toda de Rousseau, que insistia em dizer que o homem é naturalmente bom, é a organização social que o corrompe. Eram debates apaixonados. Eu, contra. Ela, a favor. Essa filosofia foi a forma que a coitadinha encontrou para substituir a religião. Decidi deixar para lá e passei a concordar com tudo. De qualquer forma, ela jamais seria uma niilista convicta.

Seguimos rumos diferentes. Hoje, ela é uma renomada teóloga. Eu virei puta mesmo. E gosto muito. Garanto prazer a todos os meus clientes. Os que me proporcionam orgasmos múltiplos deixo sair sem pagar. Assim o sexo fica mais gostoso. Um querendo dar prazer ao outro, nada daquela coisa fria e mecânica, do tipo “mete essa pica dura aqui e vai embora”. Atendo homens, mulheres, promovo festinhas, faço sexo grupal. Se você ficar interessado, pode me procurar. Só que cobro caro. Apesar de ser bom, isso aqui é um negócio. Ramo do entretenimento. Como disse, tenho espírito empreendedor. Preciso sustentar minha cobertura no Catete, atual residência e também ponto de trabalho. Sou uma puta que ganha dinheiro.

17 comentários:

  1. Adorei o texto! Vc é ótima, muito original!

    ResponderExcluir
  2. Uma putana universitária, legal isso.
    Que preza o prazer masculino e até dá sem cobrar(se o fulano for o bom)
    O único perigo para ela é se apaixonar...

    Beijão.

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  3. É Ricardo... riscos da profissão!!! rs ;)

    ResponderExcluir
  4. Bem, pelo modo como ela descreve o trabalho dela, não creio que ela possa se apaixonar com tanta facilidade assim... Talvez pareça um pouco de preconceito meu, mas ela parece separar bem o trabalho de diversão. De qualquer forma sempre disse que existem mulheres que nasceram com dom e estômago pra isso. Admiro ate.

    ResponderExcluir
  5. O mundo precisa de mais putas como você!

    ResponderExcluir
  6. Muito mais interessante e inteligente que muita mãe de família.

    ResponderExcluir
  7. Oi gata eu com certeza me casaria com vc. Eu acho que amor eh amor, sexo eh sexo...e daí se a minha mulher eh puta? Pelo menos eu teria o melhor do sexo em casa. Bjs

    ResponderExcluir
  8. meu cérebro entrou em transe quando vc disse: adoro "sentir o esperma invadir meu utero" porra não faça isso é minha fraqueza. adoro ver minha mulher gravida e transar com ela gravida.

    ResponderExcluir
  9. talvez algum garoto de programa aceite suas condições (casar e ter relacionamento sexual fora do casamento foi, é e sempre será adultério, que inclusive é crime) ou você tem que ser a única no relacionamento a impor as regras sendo assim alguem que não é do seu meio voce estaria atras de um corno obs: apenas comentando não criticando o seu modo de ser .

    ResponderExcluir
  10. A luz que ti segue... Vai retirar suas fotografias da sua mente ..... Elizeu Almeida

    ResponderExcluir
  11. Nunca senti nojo de engolir, mas raramente eu até mesmo deixava meus namoradinhos gozarem na minha boca ( Minha primeira vez foi aos 14 anos ), pois eles demonstravam nojo de me beijar depois. Qdo conheci meu marido e ele quis gozar na minha boca, ele disse que me beijaria depois, pois não tinha nojo de mesmo. Hoje em dia ( ele gozar na minha boca e nos beijarmos ) é o fetiche que mais me deixa excitada como mulher. Muitas vezes, eu não engulo tudo e passo para a boca dele. Homens que não sentem nojo, são a minha fantasia sexual. Já confessei isso para meu marido.

    ResponderExcluir
  12. Adorei seu relato linda e pretendo me inspirar em você, sabe nunca neguei que adoro ser puta na cama, é isso que deixa os homens doidos e é assim que deixamos eles aos nossos pés. Afinal, estamos no século XXI e somos nós, mulheres, quem mandamos não é mesmo? Portanto, meninas vamos a lutar e mostrar aos homens quem da as cartas. Bjos a todas putas assumidas ou não.

    ResponderExcluir
  13. Moro em sorocaba, sou educado, cheiroso, culto, excelente nível, com corpo musculoso pele clara cabelos pretos lisos olhos castahos claros, rosto bonito, com local discreto e seguros em sorocaba mas posso viajar durante a semana. Meu e mail é meu e mail é claudiosorocaba@bol.com.br Adoro beijos demorados longas preliminares demoradas penetrações para vc sentir prazer e gozar comigo.Quero encontros regulares

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. tem mulher bebe esperma de outros parceiros e aruma um trocha o trocha vai e pergunta guantos vc ja namorou ela fala vc é meu ex rsrs mais depois q passa anos vc descobre q faz coisas q nem puta faz da o rabo para os de fora na noitada e ainda faz pior q puta bebe esperma esperto homens essas são pior do q puta pq puta joga limpo e nem esperma toma imagina como vc beija uma mulher q faz isso e ainda brincou com sentimento de um ser humano ela merece e chifre q nojo eu como mulher nunca daria isso so por amor nunca nas noitadas nao pq mulher q chega metendo a boca no pau sujo de gualquer um nao passa de uma puta bara chamada puta de cerveja deve se achar enguanto kara sai falando para todos q ela é puta e bebe porra eka homens fique atento mulheres assim q são putas nunca merece seu respeito merece chifre para resto da vida elas acha o normal mais vc como homen beijaria uma mulher q bebe porra de outro assi Clarice

    ResponderExcluir

Áhh, que fofo você comentar!!!