Sugira, critique, participe, contribua, toque uma, apareça!

mulheresqbebem@gmail.com

7 de mai de 2010

TIC-TAC


Tem horas que tudo enche o saco. A família querendo se meter em todas as suas ações; o seu emprego que paga bem, mas você acha que não vale mais tanto a pena assim; seu amor, que não te entende e não sabe perceber quando o que você quer, simplesmente, é um carinho e um olhar de aprovação...
Não sei se é possível transpor no papel, no caso, na tela, o quão sufocante pode se tornar esta situação. É pressão por todos os lados, mas a pior e mais sufocante vem de onde eu não posso fugir, de onde eu sou obrigada a ouvir: vem de dentro da minha cabeça.
Dizem sempre que nós fazemos o nosso destino, mas que papo é esse né? Vamos falar a verdade! Se fosse assim tão fácil...Eu queria tanto ter me ouvido mais. Se eu já sabia o que queria ser desde pequena, se eu já era como eu queria ser com 14 anos, por que eu me deixei dominar pelas influências alheias? Por que eu permiti que minha mãe invadisse o meu desenvolvimento com suas ideias "ultra feministas" de que nós não somos nada sem um marido rico?

O meu complexo de Electra está aflorando, meus amigos. Cada dia mais. E eu não suporto ver diante de do espelho a imagem daquela mulher que tanto esforço eu fiz para não ser. Conformada com uma vida medíocre, com um emprego, com estabilidade. Eu não quero estabilidade! Eu quero ir para Itália, estudar Grotowski. Quero fazer teatro no meio do deserto da África, com o Peter Brook!
A bomba está armada e falta pouco para ir tudo pelos ares. Eu sinto. A cada DR, a cada aula de teatro, a cada peça, a cada corrida para bater o ponto no horário...Só lamento não poder voltar a ser aquela CDF de 14 anos, que não ia à praia para estudar francês e não beijava na boca porque não tinha tempo para distrações.

Por que eu mudei de ideia em relação ao sexo? Por que é tão difícil deixar de ser criança e assumir quem realmente a gente é?

3 comentários:

  1. Leminks o meu adorado idolatrado já dizia num de seus poeminhas despretensiosos: "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além ..."

    Continue querendo ser vc fada, SEMPRE.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Você escreve como quem conversa em volta de uma lareira, tomando um vinho Carmenère e dando boas risadas! Gosto de você.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. quem pensa que pensa
    se desespera e se lesa
    peça dispensa do peso
    e goze o gozo da leveza

    ResponderExcluir

Áhh, que fofo você comentar!!!